Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Rumo ao velório dos 100k: Ibovespa fecha na pior pontuação em 12 meses

Índice engata quarta queda seguida. Agora, ameaça perder os três dígitos.

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 18 nov 2021, 18h35 - Publicado em 18 nov 2021, 18h34

Quando o Ibovespa despencou dos 115 mil pontos do final de 2019 para os 63 mil pontos em março de 2020, Faria Lima Elevator começou a brincar: “E aí? Onde vai ser a festa dos 100k?”. A retomada dos três dígitos no índice, afinal, simbolizaria a recuperação do mercado depois do enorme tombo pandêmico.

O marco mesmo veio no dia 10 de julho de 2020. Após um tropeço em outubro de volta ao dois dígitos, os 100k voltaram em novembro, para dali em diante nunca mais retornar aos dois dígitos. Muito pelo contrário: em junho deste ano, o Ibov chegou a 130.776 pontos, a máxima histórica. Se rolou alguma festa na Faria Lima, porém, ela rapidamente virou um enterro (como diz o meme).

De lá para cá, o jogo virou, e virou feio: queda de 21% em seis meses. Os 100k voltaram a ser um símbolo, não mais de recuperação, e sim de queda livre. Hoje, o Ibovespa fechou aos 102.426 pontos, na quarta queda seguida, dando indícios que os três dígitos podem voltar a assombrar o mercado.

A espiral negativa que vem afundando o índice você já conhece: os anseios populistas do governo federal em ano eleitoral ameaçam as contas públicas; a PEC dos Precatórios, que o mercado escolheu ver como a solução “menos pior”, deve ser modificada no Senado. A inflação aumenta a níveis preocupantes, enquanto a economia não avança – há quem preveja recessão para 2022.  Nesse cenário, não tinha como ser diferente: a B3 ganhou da Bloomberg o título de “pior bolsa do mundo”

No fim, nada conseguiu injetar otimismo nos investidores para deixar a maré negativa de lado. A queda do Ibovespa foi de 0,51%, enquanto o dólar avançou 0,83%, a R$ 5,56.

Minério e Vale

As notícias que vêm de fora também não ajudam. Hoje, o minério de ferro caiu 4,18% no porto chinês de Qingdao, cotado a US$ 87,27 por tonelada; no ano, a desvalorização é de 45%. A commodity sofre com interferência do governo chinês no mercado, limitando a produção do aço e diminuindo na marra a demanda pelo minério. A justificativa é ambiental – reduzir as emissões de gases de efeito estufa do país asiático,que busca a neutralidade de carbono até 2050 –, mas o regime de Xi Jinping também busca reduzir a inflação da commodity 

Nisso, quem também sangra são as ações das nossas mineradoras e siderúrgicas, a começar pela Vale, cujos papéis representam 11% do Ibovespa e fecharam numa queda expressiva de 4,11%. Além dela, figuraram entre as maiores perdas do índice Usiminas (6,17%), CSN (5,35%), Gerdau (4,11%) e Bradespar (4,32%) – uma das controladoras da Vale, com participação de 5,73% ali. 

Isso tudo enquanto os índices americanos renovam recorde histórico de fechamento (de novo). Por lá, as techs puxam o otimismo. Aliás, a boa maré do setor respingou por aqui. Quem liderou na ponta das altas no Ibovespa foi uma expoente do setor, a Méliuz: alta de quase 10% depois de o Bank of America ter elevado a recomendação dos papéis da empresa de cashback de “neutro” para “compra”. Outra tech brasileira fechou entre as maiores altas também: a Locaweb, com mais de 3%.  

Mas, como as ações de tecnologia são minoria no nosso índice, não adiantou grande coisa no cômputo geral. 

Até amanhã.    

Maiores altas 

Méliuz (CASH3): 9,95%

Alpargatas (ALPA4): 4,95%

NotreDame Intermédica (GNDI3): 3,77%

Continua após a publicidade

Hapvida (HAPV3): 3,73%

Qualicorp (QUAL3): 3,06%

Maiores baixas 

Usiminas (USIM5): 6,17% 

CSN (CSNA3): 5,35%

Petrorio (PRIO3): 4,38%

Bradespar (BRAP4): 4,32%

Vale (VALE3): 4,11%

Ibovespa: -0,51%, aos 102.426 pontos

Em Nova York

S&P 500: 0,34%, aos 4.704 pontos

Nasdaq: 0,45%, aos 15.993 pontos

Dow Jones: -0,17%, aos 35.870 pontos

Dólar: 0,83%, a R$ 5,56

Petróleo

Brent: 1,20%, a US$ 81,24 

WTI: 1,11%, a US$ 78,41

Minério de ferro: -4,18%, negociado a US$ 87,27 por tonelada no porto de Qingdao (China)

  

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VC S/A! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VC S/A, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VC S/A, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

App VC S/A para celular e tablet, atualizado mensalmente.


a partir de R$ 12,90/mês