Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ibovespa volta para os 112 mil pontos apoiada no minério de ferro

Bolsa brasileira aproveitou que o governo chinês quer alavancar a economia e subiu 0,93%.

Por Juliana Américo Atualizado em 2 jun 2022, 17h41 - Publicado em 2 jun 2022, 17h33

O mercado está animado com o fim do lockdown em Xangai. Não só isso. Outras cidades chinesas estão adotando medidas mais flexíveis em relação à política de covid zero da China. Bastou para o Ibovespa subir 0,93%, a 112.392 pontos – é o quarto dia seguido de altas. 

A bolsa brasileira se apoiou no minério de ferro, que disparou quase 4% com a reabertura da economia na China. O governo chinês anunciou que vai liberar cerca de US$ 120 bilhões em crédito para obras de infraestrutura, o que ajudou a elevar os preços da commodity.

 

Compartilhe essa matéria via:

As empresas brasileiras de mineração e siderurgia aproveitaram, claro: a CSN Mineração subiu 9,69%, seguida pela Usiminas (5,24%), Metalúrgica Gerdau (4,40%) e Gerdau (4,06%). Já a CSN e a Vale valorizaram 3,52% e 1,88%, respectivamente.

Por aqui, os investidores também acompanharam sem muitas surpresas a alta de 1% no PIB do primeiro trimestre, ante 0,7% registrado nos últimos três meses do ano passado. O resultado ficou abaixo da mediana de 1,2% esperada pelo mercado. Ainda assim, quando comparado com o mesmo período de 2021, o PIB apresentou crescimento de 1,7%; já no acumulado nos quatro trimestres, terminados em março de 2022, o crescimento foi de 4,7%. 

O setor de serviços foi o principal responsável pela alta no Produto Interno Bruto. A categoria, que representa 70% do PIB do país, teve uma alta de 1% e movimentou US$ 1,3 trilhão. 

A saga do petróleo

O dia foi intenso no mercado de petróleo. A Opep (o cartel dos exportadores de petróleo) decidiu elevar a oferta do produto de 432 mil barris para 648 mil nos meses de julho e agosto. A notícia faria o preço do barril cair.

A União Europeia aprovou um bloqueio parcial ao petróleo russo. O prazo é loooongo, seis meses para bloquear as importações de petróleo e oito para a entrada de produtos refinados. O sinal seria de alta para o barril.

A Arábia Saudita disse, também hoje, que poderia ampliar a produção de petróleo para compensar a redução de oferta russa. Indício de queda de preço.

O cenário foi arrematado pelos Estados Unidos. O país anunciou uma queda nos seus estoques: 5,1 milhões de barris na semana passada. 

O balanço do dia foi o seguinte: o barril do tipo Brent, que é referência no mercado internacional, subiu 1,14%; já o WTI, que é referência no mercado americano, subiu 1,40%. 

Emprego nos EUA

O mercado se decepcionou com o número de vagas criadas pelo setor privado no país em maio: foram 128 mil empregos – menos da metade estimada, de abertura de 299 mil empregos. De acordo com o relatório da ADP (empresa que administra as folhas de pagamentos de boa parte das companhias americanas), as vagas de abril também foram revisadas para baixo, de 247 mil para 202  mil. 

Vale lembrar que o ADP é considerado um termômetro para os dados do payroll, que é o relatório oficial de como anda o mercado de trabalho lá nos EUA e inclui as vagas do setor público, além de uma leitura mais ampla do privado. 

Novas vagas não estão sendo criadas, o que não é bom. Mas, pelo menos, também não estão sendo fechadas. O número de pedidos de auxílio-desemprego caíram 11 mil na semana encerrada em 28 de maio. No total, foram 200 mil, ante previsão de 210 mil. 

Wall Street subiu: S&P 500 avançou 1,84%, a 4.176 pontos; enquanto a Nasdaq subiu 2,69%, a 12.316 pontos. Mas as preocupações ainda giram em torno de uma possível recessão. Lael Brainard, vice-presidente do Fed, afirmou que o aumento de 0,5 ponto percentual nos juros nas reuniões de junho e julho é “razoável”, e que dificilmente haverá uma pausa em setembro – algo que estava sendo esperado pelo mercado. Mas isso é um assunto que as bolsas vão deixar para depois da reabertura da China. 

Até amanhã.

 

Maiores altas

Continua após a publicidade

Positivo (POSI3): 14,40%

CSN Mineração (CMIN3): 9,69%

Locaweb (LWSA3): 8,12%

Petz (PETZ3): 5,48%

Usiminas (USIM5): 5,24%

Maiores baixas

Eneva (ENEV3): -3,26%

IRB Brasil (IRBR3): -3%

Localiza (RENT3): -1,34%

Cielo (CIEL3): -1,26%

Locamerica (LCAM3): -1,02%

Ibovespa: 0,93%, a 112.392 pontos

Em NY:

S&P 500: 1,84%, a 4.176 pontos

Nasdaq: 2,69%, a 12.316 pontos

Dow Jones: 1,33%, a 33.248 pontos

Dólar: -0,32%, a R$ 4,7885

Petróleo

Brent: 1,14%, a US$ 117,61

WTI: 1,40%, a US$ 116,87

Minério de ferro: 3,86%, US$ 141,15  no porto de Qingdao (China)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)