Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Piadinhas homofóbicas e medo ainda calam profissionais LGBT+ no trabalho

Medo ou represália são o principal motivo para não falar abertamente sobre orientação sexual ou identidade de gênero, segundo pesquisa do LinkedIn

Por Camila Pati Atualizado em 26 jun 2020, 17h01 - Publicado em 26 jun 2020, 16h20

Pesquisa divulgada pelo LinkedIn mostra que 81% dos profissionais LGBTQ+ acreditam que ainda falta muito para as empresas acolherem melhor esse público. Participaram do levantamento mais de mil profissionais, entre LGBTQ+ e heterossexuais.

Mais da metade dos participantes LGBTQ+ – 54%- dizem que a empresa onde trabalham possui práticas inclusivas mas mais de um terço dos LGBTQ+ (35%) disseram que já sofreram discriminação no ambiente de trabalho, sendo que 12% deles disseram que o preconceito partiu (direta ou veladamente) de líderes da empresa, incluindo gestores diretos.

Piadas e comentários homofóbicos são as formas mais frequentes de preconceito no ambiente de trabalho. A pesquisa indica que 83% dos profissionais LGBTQ+ acreditam que empresas deveriam criar medidas de responsabilização de colaboradores que cometerem discriminação por causa da orientação sexual e identidade de gênero de seus colegas. Entre os heterosexuais, 75% também apoiam esse tipo de iniciativa.

  • 25% não contaram para ninguém sobre sua orientação sexual

    Metade dos entrevistados assumiu a sua orientação sexual no ambiente de trabalho. O restante se divide entre os 25% que não revelaram a ninguém e 25% que contaram a alguns colegas.

    Continua após a publicidade

    Medo ou represália são o principal motivo para não falar abertamente sobre orientação sexual ou identidade de gênero para 22% dos entrevistados que mantém segredo. Retaliação do gestor direto foi apontado como motivo para se calar por 14%.

    Assumir a orientação sexual ou identidade de gênero pode atrapalhar o crescimento na empresa, segundo 15% dos entrevistados e 12% disseram que sua capacidade profissional poderia ser questionada. Há ainda 9% que afirmaram ter medo até de uma demissão por esse motivo.

    Questões pessoais também contribuem para que o assunto não seja tratado no ambiente de trabalho: 51% afirmaram que não consideram necessário, 37% disseram não gostar de falar sobre a vida pessoal no trabalho e 32% disseram que não contam sua orientação sexual nem dentro nem fora do ambiente de trabalho.

    No dia 28 de junho comemora-se o Dia do Orgulho LGBTQIA+

    Essa é uma grande oportunidade para discutir a diversidade sexual dentro das empresas

    Por que falar sobre diversidade sexual é falar sobre amor

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ S/A? Clique aqui e assine VOCÊ S/A.

    Gosta da VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

    Continua após a publicidade
    Publicidade