Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Lockdown na China derruba o minério (-7%) e o petróleo (-5%)

Barril voltou a US$ 107. Minério de ferro, a US$ 144. Em dia fraco para as commodities (e para o resto do mercado), Ibovespa cai 1,60%

Por Alexandre Versignassi Atualizado em 14 mar 2022, 17h47 - Publicado em 14 mar 2022, 17h38

“Logo depois da pandemia, vem uma guerra…”, tanta gente lamentou. Mas calma que piora, porque a pandemia não só segue entre nós como volta a dar dores de cabeça justamente onde tudo começou, na China.

O país viveu uma situação bem diferente da de qualquer outro. Houve mais óbitos por Covid em Campinas (4,9 mil), no interior de São Paulo, do que na China inteira (4,6 mil). Ao que tudo indica, por conta dos lockdowns orwellianos pelos quais o país passou no início da pandemia, seguidos pela vacinação em massa.

A China não registra novas mortes desde fevereiro de 2020. Mas a Ômicron está fazendo o número de casos subir a um número inédito por lá. Foram 3.122 no sábado, o maior desde o começo de tudo, e mais que o dobro do dia anterior. 

Não é nada perto do que o Brasil registrou no mesmo dia (47 mil). A diferença é que lá vírus se espalhando é sinônimo de convocação de lockdown pesado, dada a política de tolerância abaixo de zero com o vírus.

E é o que está (re)começando a acontecer. Já no domingo, Shenzen, metrópole de 17 milhões de habitantes no sul do país, entrou em lockdown por pelo menos uma semana.  Depois, vieram outras cidades, elevando o número de isolados para 51 milhões.

Dado o poder de infecção da Ômicron, tudo indica que é só o começo de uma nova fase de restrições pesadas à circulação de pessoas na China. 

Como a economia não passa incólume por momentos assim, e a China é o maior comprador de minério de ferro da galáxia, a commodity caiu 7% nesta manhã, a US$ 143 a tonelada.

O barril de petróleo foi na mesma toada: -5% para o Brent, a US$ 106,90, mesmo sem notícias positivas vindas da Ucrânia. Muito pelo contrário: as conversas diplomáticas entre negociadores dos dois lados, que aconteceram hoje, tiveram, de acordo com os representantes da Ucrânia, uma “pausa técnica”, e só voltam amanhã. Enquanto isso, a Rússia segue bombardeando Kiev, a capital, e 2,8 milhões (6% da população) já deixaram o país. 

Nota: mesmo com as quedas, a dupla de commodities segue bem cotada. Em dezembro, outro dia, o minério estava a US$ 115; o petróleo, a US$ 68.   

Bom, em Nova York, o ritmo é de espera pela decisão do Fed sobre os juros, marcada para esta quarta. A expectativa é a de que a “Selic” deles saia dos atuais 0,08% e vá a 0,25% – para os mais pessimistas, a 0,50%.

Enquanto a realidade não se descortina, e os fatos do resto do mundo não animam, as bolsas seguem cabisbaixas. Queda de 0,45% no S&P 500. O Ibovespa acompanhou com esteroides, já que sofre mais em dia de queda nas commodities: -1,60%.   

Continua após a publicidade

Até amanhã.

Compartilhe essa matéria via:

MAIORES ALTAS

JHSF (JHSF3): 6,24%
Santander (SANB11): 4,36%
Sabesp (SBSP3): 1,41%
Itaú (ITUB4): 1,41%
Pão de açúcar (PCAR3): 1,31%

MAIORES BAIXAS

Magazine Luiza (MGLU3): -6,33%
CSN Mineração (CMIN3): -6,21%
CSN (CSNA3): -5,83%
PetroRio (PRIO3): -5,42%
Vale (VALE3): -5,36%

Ibovespa: -1,60%, aos 109.927 pontos

Em Nova York

S&P 500: -0,74%, aos 4.173 pontos
Nasdaq: -2,06%, aos 12.578 pontos
Dow Jones: 0,01%, aos 32.946 pontos

Dólar: 1,30%, a R$ 5,1200

Petróleo

Brent: -5,12%, a US$ 106,90
WTI: -5,78%, a US$ 103,01

Minério de ferro: -7,33%, a US$ 143,70 por tonelada no porto de Qingdao (China)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês