Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Inflação americana desacelera, mas mau humor continua reinando no mercado

Os temores com o aumento dos preços seguem pressionando as bolsas, e o pessimismo contamina também as criptos.

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 12 Maio 2022, 08h25 - Publicado em 12 Maio 2022, 08h23

Bom dia!

A inflação global segue pesando nas bolsas mundo afora. Ontem, nos EUA, o índice de preços ao consumidor (CPI) de abril foi de 0,3%, mostrando uma aceleração considerável em relação a março (1,2%). Na comparação anual, o índice foi a 8,3% em abril, contra 8,5% no mês anterior. Ou seja: o aumento dos preços começa a desacelerar por lá. Mas esse é apenas o lado do copo meio cheio. 

O consenso dos analistas esperava uma alta menor para o mês, de 0,2%, e uma taxa anualizada de 8,1%. O lado do copo vazio permaneceu na resposta do mercado: a inflação segue em alta, a luta contra ela será amarga e está apenas começando.

Nesta quinta-feira, investidores aguardam o PPI, índice que mede a inflação ao produtor americano. Mas o dado dificilmente deve reverter o mau humor de Wall Street quanto aos aumentos dos preços. Nesta manhã, os índices futuros americanos apontam para o vermelho, indicando mais um dia de perdas – na semana, o S&P 500 já caiu 4,5%.

Na Europa, bolsas também operam fortemente no negativo. Aqui, para além das preocupações do outro lado do Atlântico, o destaque fica para o PIB do Reino Unido, que cresceu 0,8% no primeiro trimestre do ano em relação ao trimestre anterior, abaixo do esperado (1%).

O temor geral do mercado é de que o ritmo de alta nos juros do Fed não está sendo suficiente para conter o aumento dos preços, e de que a postura do banco central americano terá que ficar mais agressiva. Aumento de juros tiram atratividade da renda variável como um todo, mas a maior preocupação é que a economia americana entrará em recessão como efeito colateral para combater a inflação.

O mau humor também contamina o mundo das criptos, com o bitcoin caindo mais de 10%, para seu menor nível desde dezembro de 2020. Do pico no último novembro até agora, a cripto já perdeu 60% do seu valor.

Por aqui, o foco fica nas commodities. Ontem, o Ibovespa conseguiu se salvar do azedume americano e dos temores inflacionários apoiado na valorização de ações ligadas a elas. Hoje, porém, isso deverá ser mais difícil: tanto o minério de ferro quanto o petróleo estão em baixa. A ver.

Compartilhe essa matéria via:
Humorômetro - dia com tendência de baixa
Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

 

Futuros S&P 500: -0,67%

Futuros Nasdaq: -1,12%

Futuros Dow: -0,52%

*às 8h02

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): -2,23%

Bolsa de Londres (FTSE 100): -2,26%

Bolsa de Frankfurt (Dax): -2,08%

Bolsa de Paris (CAC): -2,26%

Continua após a publicidade

*às 8h03

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): -0,44%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): -1,77%

Hong Kong (Hang Seng): -2,24%

Commodities

Brent*: -1,27% , a US$ 106,14

Minério de ferro: -3,13%, negociado a US$ 130,00 por tonelada em Cingapura

*às 07h57

Agenda

9h30 Nos EUA, PPI (Índice de preços ao produtor) de abril é divulgado

9h30 Departamento do Trabalho dos EUA divulga número de novos pedidos de auxílio-desemprego no país 

market facts

Disney+ ganha assinantes

Depois dos resultados desastrosos da Netflix, o mercado estava ansioso para saber se os problemas que afetaram a plataforma de streaming (como inflação alta, por exemplo) também estão pressionando outros players do setor. A expectativa geral era pessimista. 

Mas a Disney surpreendeu ao revelar, em seu balanço, que o seu serviço de streaming Disney+ ganhou 7,9 milhões de assinantes só no primeiro trimestre do ano, mais do que o esperado pelos analistas. No total, são 137,7 milhões de usuários – bem menos que os 221 milhões da Netflix, é verdade, mas com a diferença crucial de que o número está aumentando, enquanto a vermelhinha perde assinantes.

O dado agradou e as ações da empresa do Mickey subiram 3% no after hours em Nova York. Mas nem tudo são flores: o próprio CEO da Disney, Bob Chapek, disse nesta quarta-feira que o crescimento para o restante do ano deve ser menor que o esperado, injetando uma dose de pessimismo. Os papéis da Disney logo viraram com a fala e chegaram a cair mais de 4% no after hours, e seguem em baixa no pre-market.

Vale a pena ler:

Quatro estratégias para estudar melhor

Qualquer profissional que quer progredir na carreira deve continuar buscando aprender, com ou sem aulas formais. Mas, mesmo depois de deixarmos a escola, a dúvida permanece: qual é a melhor maneira de estudar? Embora não há um método único, a ciência já desvendou algumas técnicas que ajudam a fixar conhecimento na sua memória. Veja algumas delas aqui, na reportagem da VOCÊ/SA

-

Após o fechamento do mercado, divulgam seus balanços: Americanas, B3, BRMalls, Cogna, CPFL Energia, Eztec, JHSF, Locaweb, Rede D’or e Yduqs.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)