Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ibovespa escapa de desabamento da Petrobras, com um little help de Wall Street

Estatal cai 4,54% em meio a fala de Lira sobre "medidas mais duras" contra os lucros da companhia. Mesmo assim, a bolsa se segurou (0,05%), e garantiu uma alta de 3,18% na semana.

Por Juliana Américo 27 Maio 2022, 17h55
Continua após a publicidade

Wall Street tem motivos para sextar tranquila: os índices americanos conseguiram interromper sete semanas de queda. E o melhor: ainda deram uma forcinha para o Ibovespa, que se segurou no positivo, com 0,05%, aos 111.941 pontos, e terminou a semana em alta de 3,18%.

Lá fora, o mercado recebeu bem o PCE,  índice que mede a inflação de despesas pessoais e um dos preferidos do Federal Reserve. Em abril, o PCE registrou alta de 6,3% na comparação com o mesmo mês do ano passado, indicando uma desaceleração ante os 6,6% em março.

Já o núcleo, que exclui itens voláteis, como energia e alimentos, avançou 4,9% na comparação anual. Melhor do que em março, quando esse indicador marcou 5,2%. 

Compartilhe essa matéria via:

A alta foi em linha com a expectativa do mercado. O que é bom. Viesse acima, daria combustível para o Fed pisar mais forte no acelerador dos juros – acelerador que freia como ninguém as bolsas. 

Resultado das boas novas: o S&P 500 subiu 2,47%, aos 4.158 pontos. Na semana, a alta foi de expressivos 6,60%. A Nasdaq, por sua vez, avançou 3,33%, aos 12.131 pontos, garantindo uma valorização semanal na mesma linha – 6,52%. Os investidores gringos agora partem mais aliviados para o fim de semana prolongado (segunda-feira é o Memorial Day, que celebra os soldados americanos mortos em combate, e as bolsas não abrem).

Novela da Petro

Os papéis da Petrobras caíram 4,54%, enquanto os investidores acompanhavam o imbróglio político na estatal. 

A petroleira passou a semana toda na boca do povo por causa da troca do presidente José Mauro Ferreira Coelho por Caio Mário Paes de Andrade. Mas agora o assunto é outro. Durante uma entrevista à Rádio Bandeirantes, Arthur Lira disse que o governo poderia adotar “medidas mais duras” caso “a empresa não seja privatizada”.

A solução apresentada pelo presidente da Câmara dos Deputados foi a seguinte: a União venderia as ações da companhia que estão sob controle do BNDES para deixar de ser o sócio majoritário. “O governo pode, por um projeto de lei ou numa discussão mais rápida, vender as ações que tem no BNDES, em torno de 14%”, afirmou. 

A afirmação não faz sentido. As ações que o governo tem via BNDES são preferenciais (PETR4), que não dão direito a voto. E correspondem a 7,94% do total, não a 14%. Mesmo vendendo-as, o governo federal seguiria dono de 50,3% das ações ordinárias (PETR3), que dão direito. Ou seja: nada mudaria. Veja aqui a composição acionária da empresa.

Lira emendou dizendo que “outras petroleiras têm tido sensibilidade de abrir mão de parte dos seus lucros abusivos”. Não se sabe onde estão tais petroleiras. O fato é que tudo isso reforça o fato de que haverá muita pressão para que a Petrobras abra mão de parte de seus lucros para subsidiar a importação de combustíveis. Não há acionista que receba uma bomba dessas e fique tranquilo. Em suma: caiu foi pouco. 

Tem mais: Coelho alertou ontem o Ministério das Minas e Energia e a Agência Nacional de Petróleo (ANP) sobre o risco que o Brasil corre de desabastecimento de óleo diesel no segundo semestre do ano. 

A carta enviada pela Petro cita que os estoques dos EUA, nosso principal exportador de derivados, estão em seus níveis mais baixos desde 2008 – sem falar da queda nas exportações russas, que está afetando os estoques mundiais. No ano passado, o Brasil importou 30% do diesel consumido no país.

Eletrobras

Também está no radar do mercado a privatização da Eletrobras (0,24%). A empresa anunciou, nesta sexta, a sua oferta de ações, que pode movimentar cerca de R$ 30 bilhões. 

O processo envolve uma oferta primária, inicialmente, de 627 milhões de novas ações (incluindo uma parte em ADRs, para atender os investidores estrangeiros). Um lote suplementar de até 15% do total das ações também pode ser liberado. E haverá também uma oferta secundária de 69,8 milhões de ações da União. 

Quem tiver saldo no FGTS poderá utilizar até 50% para comprar ações da Eletrobras. O preço da ação será fixado no dia 9 de junho, enquanto o início das negociações das ações da oferta está marcado para 13 de junho. 

Bom final de semana!

Continua após a publicidade

Maiores altas

BRF (BRFS3): 5,09%

Minerva (BEEF3): 4,62%

CSN (CSNA3): 2,91%

PetroRio (PRIO3): 2,82%

B3 (B3SA3): 2,74%

Maiores baixas

Petrobras (PETR4): -4,54%

Yduqs (YDUQ3): -4,26%

Petrobras (PETR3): -4,15%

Via (VIIA3): -3,28%

Energisa (ENGI11): -2,76%

Ibovespa: 0,05%, a 111.941 pontos

Em NY:

S&P 500: 2,47%, a 4.158 pontos

Nasdaq: 3,33%, a 12.131 pontos

Dow Jones: 1,77%, a 33.213 pontos

Dólar: -0,49%, a R$ 4,7382

Petróleo

Brent: 1,22%, a US$ 115,56

WTI: 0,86%, a US$ 115,07

Minério de ferro: 2,23%, US$ 134,22 no porto de Qingdao (China)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês