Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bolsas americanas preparam primeira alta semanal desde março

Bitcoin volta a ter quase 50% de participação no mercado de criptos. E baleias se movimentam.

Por Tássia Kastner 27 Maio 2022, 07h48

Foram sete semanas de queda, um massacre que quase jogou o S&P 500 no bear market (aquele patamar psicológico de queda de 20% depois do pico). Salvo uma hecatombe, investidores se preparam para comemorar a primeira alta semanal desde o final de março.

Os futuros das bolsas americanas começam a manhã no azul, a mesma toada da Europa e da Ásia.

Não há muito a ser comemorado, já que o cenário econômico continua bastante delicado. A economia chinesa está em franca desaceleração, a Rússia segue represando exportação de alimentos – o que afeta a inflação global – e os Estados Unidos ainda vão precisar subir os juros.

Depois do liquida tudo de ações, investidores parecem (ao menos por enquanto) mais confortáveis com a dinâmica do mercado. E voltaram às compras. Se o alívio continuará, é algo para as cenas dos próximos capítulos.

O que se sabe é que a fuga dos ativos de risco ocorreu por todos os mercados. No mundo das criptomoedas, o Bitcoin voltou a ter 44% de participação de mercado, segundo uma reportagem da Bloomberg. É o maior patamar desde outubro. Dali, o mercado de criptoativos acelerou como um todo, e outras moedas ganharam terreno. Hoje o Bitcoin é cotado ao redor de US$ 29 mil, uma queda de quase 60% em relação ao pico de novembro de 2021.

Se o Bitcoin derreteu, as demais moedas evaporaram. A gente explicou aqui o colapso da TerraUSD. Mas o sinal realmente preocupante é outro, isso se você tem a mais popular das criptos. Segundo o mesmo texto, os megainvestidores de Bitcoins, chamados de baleias, estão se movimentando.

Esses caras normalmente guardam suas criptos de maneira offline, mas estariam começando a levá-las para as exchanges. O movimento só faz sentido se o plano for vendê-las.

A semana pode até terminar mais calma, mas não significa que a tormenta realmente acabou.

Compartilhe essa matéria via:
humorômetro: o dia começou com tendência de alta
VCSA/Você S/A

Futuros S&P 500: 0,26%

Futuros Nasdaq: 0,42%

Futuros Dow: 0,08%

*7h30

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): 0,87%

Bolsa de Londres (FTSE 100): 0,05%

Bolsa de Frankfurt (Dax): 0,69%

Bolsa de Paris (CAC): 0,86%

Continua após a publicidade

*às 7h26

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): 0,21%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): 0,52%

Hong Kong (Hang Seng): 2,89%

Commodities

Brent*: 0,28%, a US$ 117,73

Minério de ferro: 2,59%, a US$ 132,75 por tonelada em Singapura

*às 7h27

Agenda

Aneel define a bandeira da tarifa de energia elétrica de junho 

9h30 EUA divulgam índice de preços ao consumidor (PCE) de abril

market facts

Seca

A Petrobras formalizou ao governo que existe um risco de falta de diesel no segundo semestre. A culpa é do controle de preços da estatal, que impede o repasse integral dos preços internacionais no mercado interno. Acontece que o Brasil não produz todo o diesel que consome – precisa importar o resto. Quem faz isso são empresas privadas, pouco dispostas a se aventurar no mercado se a Petro vende a mesma coisa por um preço menor. No governo Dilma Rousseff, a própria Petrobras fazia o papel de importadora – e amargava o prejuízo de vender o produto abaixo do preço de compra.  

Em massa

A BRF está fazendo um programa de demissão em massa e vai cortar 25% dos cargos de diretoria, segundo reportagem do Valor Econômico. A companhia, resultado da fusão da Sadia com a Perdigão, já vinha entregando resultados decepcionantes a investidores. O combo de disparada dos preços dos grãos, base da ração de frangos e porcos, e redução da renda da população só deixou a situação mais complicada. No primeiro trimestre, a empresa registrou prejuízo de mais de R$ 1 bilhão. No ano, as ações da companhia acumulam queda de quase 40%. Leia aqui mais sobre a situação da companhia.

Vale a pena ler:

Aposta

O mercado financeiro vive tentado criar novos jeitos de fazer investidores ganhar (ou perder) dinheiro. A Kalshi é uma startup que permite tentar prever o futuro – e faturar com isso. Dá para palpitar sobre qualquer coisa: da próxima onda de Covid aos vencedores do Grammy ou ainda a aprovação de um projeto de lei. Conheça a história aqui, e descubra os riscos dessa aventura.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês