Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Banco Central Europeu brinca de Rubinho Barrichelo e derruba bolsas

Nova York tomba mais 2% à espera de dados de inflação nos EUA. Ibovespa ignora alívio no IPCA e cai 1%.

Por Tássia Kastner e Camila Barros 9 jun 2022, 17h38

O Banco Central Europeu decidiu ser o Rubinho Barrichelo dos bancos centrais. Anunciou nesta quinta-feira que deve subir os juros da Zona do Euro em 0,25 ponto percentual na reunião de julho. A segunda medida é encerrar o programa de compra de ativos, medida que ajuda a estimular a economia colocando dinheiro para circular.

A taxa de inflação na Zona do Euro não deve em nada para a americana. Está em 8,1% no bloco, ante 8,3% na terra de Joe Biden. No Brasil, nem se fala

Aqui o IPCA acumula alta de 11,73% em doze meses até maio, um levíssimo respiro na comparação com os 12,13% no acumulado até abril. O BC brasileiro, claro, já içou os juros de 2% para 12,75% ao ano – foi pré-anunciado um novo aumento na reunião da semana que vem. 

Em resumo. Todo mundo tava aumentando os juros, menos no BCE. A justificativa de Christine Lagarde e cia até é válida. A economia do bloco está claudicante, e poderia passar a encolher com menos dinheiro em circulação. O segundo ponto é que a alta de juros pode nem fazer efeito na região, já que por lá a principal causa da inflação é a disparada dos preços de energia. E alta de custos por escassez de oferta não se combate com juros.

Só que uma hora não dá mais para segurar. A Europa tem taxa negativa de depósito há oito anos. Na prática, um banco poderia cobrar de clientes para deixar dinheiro parado na conta – uma medida extrema de incentivo ao consumo. Essa taxa deve virar para o positivo no segundo semestre.

A virada de chave do Banco Central Europeu não muda tanto a vida do mundo quanto a subida de juros nos EUA. Mas funciona como uma espécie de balde de água fria. Se ainda havia alguma esperança de que a situação não era tão ruim, ela acabou hoje. Até a Europa entendeu que precisa sacrificar o crescimento em prol do controle da inflação.

Nisso, o mercado financeiro entrou no modo Dilma Rousseff: “Vai todo mundo perder”.

A queda de mais de 1% nas bolsas foi a regra, na Europa, em Wall Street e também ali no centro de SP.

Em Nova York, investidores aumentaram o pessimismo com os dados oficiais de inflação. Segundo estimativas colhidas pela agência Bloomberg, os preços devem registrar taxa anual de 8,2% em maio, uma levíssima queda em relação ao período encerrado em abril. Ou seja, nada ante o pessimismo global.

Aí segue o dia da marmota: inflação alta eleva apostas em mais aumentos de juros, que reforça projeções de desaceleração (ou recessão global), que leva a uma queda nas bolsas.

Brasil

Por aqui, o Ibovespa foi puxado mais uma vez pelo tombo da Vale e das siderúrgicas. Estão em alinhamento global, ainda que do pior jeito possível. É que juro alto e redução do crescimento como um todo diminui a demanda por matéria-prima para a construção e outros setores da economia. A Vale, a dona do Ibov, caiu 3,15%. 

O Ibovespa, no fim, fechou em baixa de 1,18%, na faixa dos 107 mil pontos.

A única coisa ~menos ruim~ do dia foi justamente a inflação. A leve desaceleração de preços por aqui fez o mercado ajustar suas projeções para os juros futuros. É um alívio. Que para persistir, depende de o governo não continuar com a torneira aberta para a campanha eleitoral.

Por sinal, o petróleo recuou de leve no mercado internacional: -0,41%. Poderia ser uma boa notícia para a Petrobras e para o governo, inconformado com a alta de preços do combustível.

Só tem um probleminha: o dólar. A moeda subiu 0,52%, a R$ 4,9156.

Isso que se chama de batizar a gasolina. 

Compartilhe essa matéria via:

Maiores altas

Continua após a publicidade

Hapvida (HAPV3): 3,31%

Sul América (SUL11): 2,93%

CCR (CCRO3): 2,24%

Minerva (BEEF3): 2,04%

JHSF (JHSF3): 2%

Maiores baixas

CSN (CSNA3): -6,65%

Magazine Luiza (MGLU3): -6,52%

Azul (AZUL4) -5,34%

Locaweb (LWSA3) -5,14%

Usiminas (USIM5) -4,80%

Ibovespa: -1,18%, a 107.094 pontos

Nova York

Dow Jones: -1,94%, a 32.272 pontos

S&P 500: -2,38%, a 4.018 pontos

Nasdaq: -2,75%, a 11.754 pontos

Dólar: 0,52%, a R$ 4,9156

Petróleo

Brent: -0,41%, a US$ 123,07

WTI: -0,49%, a US$ 121,51

Minério de ferro: -1,27%, a US$ 143,99 a tonelada no porto de Qingdao

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês