Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Piores empresas para trabalhar: quando o emprego é um pesadelo

Gritos pelos corredores, choro no banheiro, ataque de pânico... Esta não é a descrição de um filme de terror, e sim a realidade de várias companhias

Por Juliana Américo e Monique Lima, de VOCÊ S/A Atualizado em 14 fev 2020, 17h00 - Publicado em 14 fev 2020, 16h00

Atire o primeiro crachá quem nunca chorou no banheiro, ouviu chefes repreendendo as equipes aos berros ou encontrou colegas tremendo de raiva no cafezinho.

Por mais que exista uma disseminação das boas práticas de gestão de pessoas nos últimos anos — e é cada vez mais comum companhias que tenham, por exemplo, flexibilidade de horário, comitês de discussão, líderes empáticos e canais de denúncia eficientes —, ainda há empresas com um clima organizacional tão ruim que transformam a vida dos funcionários num pesadelo digno de filme de terror.

Muitos dos leitores de VOCÊ S/A, infelizmente, vivem essa realidade. Para fazer esta reportagem, que homenageia uma matéria de capa publicada pela revista em 2003, recebemos 107 depoimentos relatando abusos vividos no ambiente profissional.

  • Dezessete anos depois de nossa primeira reportagem sobre o assunto — que foi compartilhada no Instagram e rendeu tantos comentários que nos encorajou a refazer a pauta —, vários problemas conti­nuam os mesmos. Ainda há chefes tóxicos, RHs ausentes, erros de comunicação e falta de reconhecimento pelo trabalho prestado.

    Mas dá para combater esses problemas. No especial Pesadelo na Firma, que publicamos na VOCÊ S/A deste mês, você vai aprender a enfrentar problemas como chefes tóxicos, bullying dos colegas, falta de comunicação corporativa e exploração por excesso de amor pelo trabalho.

    O especial completo está na edição de fevereiro da VOCÊ S/A, disponível na versão impressa (assine aqui) e digital por meio dos aplicativo da VOCÊ S/A, disponível para Android e para IOS.

    Compartilhe seus comentários com a gente nas redes sociais e no e-mail redacaovocesa@abril.com.br 

    Continua após a publicidade
    Publicidade