Curso online e home-office: o que os brasileiros mais procuram no Google

Pesquisa do Google divulgada com exclusividade por VOCÊ S/A mostra quais são os principais interesses e atividades dos internautas nesta quarentena

São Paulo – No início de abril, quase 4 bilhões de pessoas estavam em quarentena pelo mundo para conter a disseminação do novo coronavírus – o que significa que metade da população do planeta se trancou casa, de acordo com dados da agência de notícias AFP.

E essa restrição à mobilidade tem, é claro, influenciado os hábitos das pessoas. Segundo uma pesquisa feita pelo Google entre os dias 31 de março e 1 de abril com 1.300 respondentes, e divulgada com exclusividade por VOCÊ S/A, as principais atividades dos brasileiros são: estudar ou trabalhar (35%), executar tarefas domésticas (21%), buscar informações (11%), exercitar-se em casa (9%) e realizar atividades com os filhos (9%).

Cursos online

A obrigação de ficar em casa influencia até  as palavras que são mais buscadas no Google. O termo “como fazer”, que é analisado pela multinacional de tecnologia desde 2004, bateu seu recorde histórico nesta quarentena. Assim como o interesse por cursos online, que é o mais alto em todos os anos – e a procura por “curso de inglês online” é a maior desde 2015, o que mostra que o pessoal está disposto a usar o tempo livre para se aprimorar.

A pedido de VOCÊ S/A, o Google levantou quais são as aulas mais demandadas, numa comparação entre março e fevereiro de 2020. E o interesse por Harvard é altíssimo: a procura por cursos online da universidade americana cresceu 1.802%. Em segundo lugar, vem o termo “curso online gratuito”, com um aumento de 819%. E em terceiro, estão as aulas gratuitas do Senai, que tiveram um crescimento de 578%.

Home office

O trabalho remoto forçado também estimula os internautas a irem atrás de conselhos para se adaptar a essa nova realidade. Tanto é que o termo “home office” nunca foi tão procurado no Google: é um recorde no Brasil e no mundo.

Como os profissionais precisam continuar participando de reuniões e falando com colegas virtualmente, o termo “vídeo-conferências” está em alta. Globalmente, estas palavras-chaves cresceram 231% – três vezes mais do que a média mundial dos últimos 16 anos. No Brasil, o interesse por informações sobre este assunto foi, em março, dez vezes maior do que em fevereiro.

Se você quer conselhos para se adaptar ao trabalho remoto, ouça o episódio 31 do Rádio Peão, o podcast da VOCÊ S/A, no qual compartilhamos o Guia do Home-Office. 

 

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Você S/A?
Clique aqui e assine VOCÊ S/A por R$ 9,90 por mês.

E se você gosta da VOCÊ RH é só clicar aqui para ser nosso assinante, também por R$ 9,90 mensais.

 

     

     

     

     

    Comentários
    Deixe um comentário

    Olá,

    * A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

    Foto do Google

    Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

    Conectando a %s

    %d blogueiros gostam disto: