Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

S&P 500 tenta se reerguer, mas depende de novos dados de inflação

Bitcoin continua em queda e é negociado ao redor dos US$ 22 mil.

Por Tássia Kastner, Camila Barros 14 jun 2022, 08h21

Hoje é dia de andar na corda bamba. Depois da sangria de ontem, que colocou a bolsa americana oficialmente em bear market, investidores ensaiam uma breve recuperação. Os futuros de S&P 500, Nasdaq e Dow Jones começam a manhã em leve alta.

O problema é que na Europa, onde o mercado está aberto, as quedas continuam. Sinal ruim para quem quer sair do buraco em que caiu no pregão de ontem. O bitcoin opera de maneira (ainda mais) volátil, ao redor dos US$ 22 mil.

O The Wall Street Journal publicou ontem uma reportagem para mostrar que os integrantes do Fed (o BC americano) teriam deixado a porta aberta para altas mais agressivas nos juros americanos, caso as condições da economia exigissem isso. Por enquanto, investidores esperam aumento de 0,50 ponto percentual. Uma aposta mais ousada é uma alta de 0,75 ponto, algo que aconteceu a última vez em 1994.

Uma das afirmações destacadas foi a de Jerome Powell. O presidente do Fed afirmou na coletiva de imprensa do mês passado que não pretendia adicionar mais volatilidade ao mercado financeiro, mas que uma surpresa nos dados inflacionários poderia exigir uma resposta ágil.

Isso entrou no radar de bancos e investidores, que apontaram para uma maior probabilidade de aumento mais agressivo nos juros nesta semana.

O Fed se reúne hoje e amanhã para decidir o aumento de juros do país capaz de ajudar a conter a alta da inflação. Em maio, a inflação oficial dos EUA subiu 1%, uma variação mais comum no Brasil que na terra de Joe Biden. A surpresa deixou investidores como baratas tontas.

Hoje os EUA divulgam a inflação de preços ao produtor (PPI), uma espécie de primo do IGP-M. Essa medida de preços serve como um termômetro para a inflação oficial: se produtores precisam pagar mais pelas matérias-primas, provavelmente a consequência será uma alta de preços ao consumidor final nos próximos meses.

Daí que esse alívio do mercado no dia de hoje dependerá do PPI. Uma notícia ruim vinda dali tem tudo para fazer o mercado colapsar de novo. Melhor se preparar para o pior.

 

Compartilhe essa matéria via:

humorômetro: o dia começou com tendência de alta

Futuros S&P 500: 0,55%

Futuros Nasdaq: 0,90%

Futuros Dow: 0,35%

*8h08

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): -0,60%

Bolsa de Londres (FTSE 100): -0,77%

Bolsa de Frankfurt (Dax): -0,59%

Continua após a publicidade

Bolsa de Paris (CAC): -1,07%

*às 8h04

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): 0,79%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): -1,33%

Hong Kong (Hang Seng): 0,00%

Commodities

Brent*: 0,88%, a US$ 123,35

Minério de ferro: -1,55%, a US$ 133,05 por tonelada em Singapura

*às 8h04

Agenda

9h IBGE divulga a pesquisa mensal de serviços

9h30 EUA publicam o Índice de Preços ao Produtor (PPI) de maio

market facts

Pé esquerdo

A segunda-feira não foi fácil pra quem resolveu abocanhar uma fatia da nova oferta de ações da Eletrobras. Os papéis ELET3 caíram 2,20%, cotados a R$ 40,10. Inicialmente, as ações foram vendidas a R$ 42 no follow-on. Apesar da queda em dia de estreia, as ações ordinárias da companhia exibem alta de 22,10% no acumulado do ano. A entrada de novos sócios na Eletrobras fez parte da estratégia de privatização da empresa. Antes dona de 58,71% da companhia, a União diluiu sua participação para 45% e uma ação especial que dá poder de veto.

Vale a pena ler:

Ele errou?

Conhecido pela maneira cautelosa com que conduz seus investimentos, Warren Buffett colocou US$ 1 bilhão no Nubank em 2021. No fim do ano, o banco digital chegou na bolsa de Nova York com a moral lá em cima – e o valor de mercado também. Mas 2022 não tem sido igualmente gentil. Seis meses depois do IPO, as ações NU já valiam 60% menos, vendidas a US$ 3, contra US$ 9 da estreia. Nas casas de análise, relatórios discordam sobre o futuro da companhia. Fica a dúvida: Buffett errou ao investir no roxinho? Entenda melhor aqui.

Colapso

A premissa é irresistível: ganhar bastante dinheiro enquanto se diverte jogando videogame. Todos os elementos de Axie Infinity envolvem criptoativos – até os personagens do jogo são NFTs com valor próprio. O negócio parecia tão rentável que teve gente considerando largar o emprego para se dedicar melhor a essa nova fonte de renda. Mas aí o mercado de cripto começou a colapsar. Como se não bastasse, o número de jogadores diários caiu em 40% e a empresa controladora do videogame sofreu um ataque hacker. Depois dessa maré de desastres, o jogo que queria ser a cara do futuro passou a ter mais jeito de cilada. E fez muita gente perder dinheiro. Veja a história completa nesta reportagem da Bloomberg.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)