Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

S&P 500 tem pior mês desde março de 2020 com pessimismo tech

Já o índice Nasdaq desabou 3,9% só hoje. Microsoft e Google divulgaram seus balanços hoje após o fechamento do mercado, e sinais foram ambíguos. Entenda.

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 26 abr 2022, 18h53 - Publicado em 26 abr 2022, 18h41

Nem tão big assim? O mercado parece estar pessimista com as empresas de tecnologia, em especial as gigantes do ramo – como Apple, Alphabet (Google), Meta (Facebook), Microsoft e Amazon. O mau-humor é tanto que o S & P 500, maior e mais importante índice acionário americano, acumula queda de quase 8% em abril – fazendo do mês até agora o pior desde março de 2020, quando o índice perdeu mais de 12% por causa da pandemia de Covid-19. 

Já o índice Nasdaq, que concentra justamente as ações de tecnologia, acumula queda de 12% no mês e está em seu menor patamar desde dezembro de 2020. 

Compartilhe essa matéria via:

Só hoje a queda do S&P 500 foi de 2,8%, enquanto o Nasdaq foi além e desabou 3,9% (um tombo desse tamanho em um único dia não era visto também desde setembro de 2020). No mês, acumula queda de 12%. A baixa dessa terça-feira em Nova York  contaminou também o mercado brasileiro, e o Ibovespa teve sua sétima queda seguida, voltando aos 108 mil pontos após cair mais de 2%. 

O que explica todo esse mau-humor? Basicamente, um pessimismo generalizado do mercado quanto às techs.

A temporada de balanços corporativos referente ao primeiro trimestre de 2020 começou há duas semanas. Hoje, porém, o dia foi especialmente aguardado porque as duas primeiras big techs, Microsoft e Alphabet (do Google), divulgaram seus resultados trimestrais depois do fechamento do mercado. E puxaram a fila: Meta, Amazon e Apple também liberarão seus números nesta semana. 

Investidores, porém, parecem ter engatado numa espiral de pessimismo com os resultados. O cenário macroeconômico já é adverso com as techs, já que o Fed, banco central americano, já confirmou que vai aumentar os juros em ritmo acelerado, medida que combate a inflação, mas machuca principalmente as empresas com alto potencial de crescimento (lê-se techs).

Se, além disso, as techs apresentarem resultados trimestrais fracos, aí danou-se.

E é exatamente isso que os investidores parecem apostar, o que explica a queda acumulada do Nasdaq. Hoje, logo antes da divulgação dos seus resultados, os papéis da Alphabet e da Microsoft fecharam em queda de mais de 3% cada. Apple também caiu 3%, Amazon perdeu mais de 2% e Meta, 1%.

Outros sinais anteriores justificam o pessimismo. A Netflix, por exemplo, foi a primeira empresa considerada “tech” a divulgar seus resultados – catastróficos, diga-se. A plataforma perdeu usuários pela primeira vez em 10 anos e prevê uma perda ainda maior no resto do ano. Seu balanço injetou uma boa dose de pessimismo no mercado.

Depois do fechamento do mercado os resultados em si, e os sinais foram mistos. Os resultados da Alphabet certamente não agradaram: queda de quase 7% no after hours de Nova York. A empresa registrou uma receita de US$ 68 bilhões, um crescimento de 23% na comparação anual, mas levemente abaixo do esperado pelo mercado (US$ 68,1 bi). Entre os destaques negativos, está a receita do YouTube, que foi de US$ 6,9 bi, contra os US$ 7,5 bi esperados pelos analistas. O lucro líquido caiu 8% para US$ 16,4 bilhões.

Já as ações da Microsoft entraram em uma montanha-russa no after hours após a divulgação do balanço, alterando entre ganhos e perdas de forma muito volátil. A empresa superou as expectativas de Wall Street: a receita  foi de  US$ 49,36 bilhões no trimestre; analistas esperavam US$ 49,05 bilhões. Mas o pessimismo geral do mercado quanto as techs parece ter contribuído para a volatilidade do papel.

Mas Microsoft e Google não foram as únicas protagonistas do dia. As ações da Tesla (que também entra, geralmente, na caixinha das “techs”) fecharam em queda de 12% um dia após o Twitter aceitar a proposta de aquisição do Elon Musk. A notícia, aliás, injetou um certo otimismo no mercado ontem e ajudou a colocar as bolsas americanas no azul, mas o efeito Musk durou pouco. Afinal, as apostas de que o bilionário terá que vender os papéis da montadora para comprar a rede social pressionam as ações.

No Brasil

Por aqui, o Ibovespa voltou a amargar no vermelho pelo sétimo pregão seguido com o mau-humor americano. Assim como nos EUA, as techs também ficaram com os destaques negativos: Méliuz, Totvs e  Locaweb figuram entre as maiores perdas do dia (veja abaixo).  Já o dólar disparou mais de 2% e voltou a rondar o patamar dos R$ 5. 

O mercado também reagiu ao balanço do Santander, considerado negativo por mostrar uma menor carteira de crédito e inadimplência em alta. A queda nas ações foi de 4,55%, e levou os papéis de outros bancões para o vermelho junto.

A exceção ficou para as petroleiras: Petrorio e 3R Petroleum lideraram as altas do dia surfando na valorização do petróleo no mercado internacional, enquanto os papéis da Petrobras fecharam próximos da estabilidade.

Até amanhã.

Maiores altas

Continua após a publicidade

Petrorio (PRIO3): 2,47%

3R Petroleum (RRRP3): 2,24%

CPFL (CPFE3): 1,84%

Iguatemi (IGTI11): 1,81%

EDP Brasil (ENBR3): 1,13%

Maiores baixas

Locaweb (LWSA3): -8,32%

Totvs (TOTS3): -6,50%

Banco Inter (BIDI11): -6,37%

CSN (CSNA3): -6,30%

Méliuz (CASH3): -6,28%

Ibovespa: -2,23%, aos 108.212 pontos

Em Nova York

S&P 500: -2,82%, aos 4.175 pontos

Nasdaq: -3,95%, aos 12.490 pontos

Dow Jones: -2,38%, aos 33.239 pontos

Dólar: 2,36%, a R$ 4,9905

Petróleo

Brent: 2,40%, a US$ 104,61

WTI: avança 3,21%, a US$ 101,70 

Minério de ferro: -2,95%, negociado a US$ 123,11 por tonelada em Qingdao (China)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês