Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ibovespa engata sétima alta seguida com ajuda de techs e varejistas

Agradeça ao presidente do Banco Central, que indicou que o ciclo de altas na Selic deve terminar em maio. Dólar seguiu sua queda livre e fechou em R$ 4,83.

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 24 mar 2022, 17h48 - Publicado em 24 mar 2022, 17h47

Mais um dia, mais uma alta no Ibovespa. Está ficando repetitivo: já são sete subidas seguidas para o índice, que hoje avançou 1,36%, alcançando o patamar dos 119 mil pontos. O fluxo externo continua beneficiando nossa bolsa e derrubando o dólar, que hoje passou por um dia instável até fechar a R$ 4,8320, com uma queda de 0,25%, mais modesta do que nos últimos dias – mas ainda queda.

Assim como ontem, a alta de hoje foi garantida com ajuda dos papéis dos setores de varejo e tecnologia, e não de commodities, como é mais comum acontecer em terras brasileiras. Entre as maiores valorizações do dia estão a Magalu (10%), Méliuz (9%), Positivo (7%) e Americanas (6%). O motivo é a expectativa de que o ciclo de aumento de juros promovido pelo Banco Central está chegando ao fim.

Tanto ações de tecnologia como de varejo são mais sensíveis aos movimentos na taxa de juros, já que, no caso das techs, o potencial de crescimento é afetado pelo crédito mais caro, e, no caso das varejistas, o poder de compra da população diminui. Por isso mesmo esses setores não vinham lá se destacando muito – nos últimos 12 meses, a Selic saltou de 2% ao ano para os atuais 11,75%. E o Banco Central já avisou que vem mais um aumento aí, de 1 ponto percentual. 

Acontece que muita gente aposta que os 12,75% serão o teto da Selic; depois disso, o órgão deve pausar seu aperto monetário. O que era aposta virou uma coisa mais real nesta quinta. Roberto Campos Neto, o presidente do BC, disse em entrevista que “fazer um movimento adicional em junho não é o mais provável”. Traduzindo, ele disse que a última alta de juros ocorrerá em maio, e a ata da última reunião contratou um aumento de 1 p.p. Ou seja, 12,75% e não se fala mais nisso.

O dia também foi marcado por menos temores inflacionários. No dia em que a guerra na Ucrânia completou um mês, o petróleo fechou em queda no mercado internacional. E o dólar continuou sua queda livre, o que ajuda a aliviar a pressão sobre as commodities, negociadas em dólar. Isso, combinado com a fala de Campos Neto, levou os juros futuros a cair e os papéis das techs e varejistas a subir.  Soma-se a isso um dia de bom-humor também em Nova York, principalmente no setor de tecnologia (Nasdaq 1,93%, S&P 500 1,44%), que ajudaram a garantir as altas por aqui.

Vale lembrar, porém, que o próprio presidente do BC ressaltou que o cenário é muito volátil, deixando uma deixa do tipo “não prometo nada, tudo pode acontecer”. E, de fato, vários analistas e bancos preveem a Selic para lá da casa do 13%

A exceção do dia, porém, foi a Locaweb. As ações da empresa de tecnologia lideraram as maiores perdas (-7,05%), com o mercado reagindo mal à divulgação de seu balanço trimestral, que ocorreu ontem após o fechamento. A companhia registrou prejuízo de R$ 7,2 milhões no quatro trimestre de 2021, ante a lucro líquido de R$ 9 milhões no mesmo período de 2020.

Compartilhe essa matéria via:

Maiores altas

Banco Inter – Units (BIDI11): 10,12%

Magazine Luiza (MGLU3): 10,00%

Méliuz (CASH3): 9,05%

CCR (CCRO3): 7,48%

Positivo (POSI3): 6,97%

Continua após a publicidade

Maiores baixas

Locaweb (LWSA3): -7,05%

Hapvida (HAPV3): -5,09%

Petrorio (PRIO3): -4,50%

Bradespar (BRAP4): -2,12%

Petz (PETZ3): -1,00%

Ibovespa: 1,36%, aos 119.052 pontos

Em Nova York

S&P 500: 1,44%, aos 4.520 pontos

Nasdaq: 1,93%, aos 14.191 pontos

Dow Jones: 1,01%, aos 34.707 pontos

Dólar: -0,25%, a R$ 4,8320

Petróleo

Brent: 2,08%, a US$ 115,30 

WTI: 2,25%, a US$ 112,34

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)