Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bancos Centrais temem bomba-relógio em criptos

Volume de negócios com criptomoedas chega a superar o da bolsa de NY. E eleva risco de colapso em caso de quebradeira. Regulação deve demorar.

Por Tássia Kastner Atualizado em 8 jun 2022, 16h37 - Publicado em 10 jun 2022, 06h17

Foram anos virando as costas para o mercado de criptos. A coisa cresceu de tal maneira que agora os bancos centrais estão preocupados com os estragos que o eventual colapso desses ativos pode causar no sistema financeiro.

O Banco Central Europeu emitiu o primeiro alerta de risco em maio. Em um relatório, a autoridade monetária do bloco estimou que o volume de negócios com criptos em alguns períodos é tão grande quanto a bolada que gira na Bolsa de Nova York, a maior do mundo. 

Os criptoativos estão cada vez mais relacionados ao sistema financeiro, seja porque empresas listadas decidiram colocar uma parte do seu caixa nessas moedas ou porque bancos passaram a ter fundos de Bitcoins e outras moedas digitais em seu portfólio.

Até aí, jogo jogado. O problema é que as criptos perderam 60% em valor de mercado entre novembro de 2021, o pico, e o final de maio. Isso fez evaporar US$ 1,7 trilhão do mercado – o PIB do Brasil, basicamente. 

Continua após a publicidade

Fosse só a desvalorização das moedas, o risco seria menor. O problema é que agora criptos são usadas como lastro em operações de crédito, daí o risco de efeito cascata. O BCE estima que algumas empresas permitem a investidores negociar 125 vezes o valor de criptomoedas dadas em garantia em operações. Note que boa parte desses empréstimos costuma ir para a compra de mais cripto. Ou seja: caso a desvalorização permaneça, há o risco real de um colapso financeiro. 

A União Europeia prepara uma regulação para o setor. O problema é que o texto só deve entrar em vigor em 2024.  

No Brasil, o Banco Central estima que o volume de negócios em cripto já equivale a metade do montante que circula na B3. O BC também teme estragos, mas conta apenas com uma proposta de regulação em discussão no Congresso.

O Senado aprovou no fim de abril um projeto de lei que regula as corretoras de criptomoedas – o texto deve passar pelo aval da Câmara até o fim de junho. O foco da proposta está em regras para evitar lavagem de dinheiro e fraudes contra investidores – como os esquemas de pirâmides que explodiram nos últimos anos.

A ideia é que as exchanges, como são conhecidas as corretoras de criptos,  façam o cadastro de seus usuários da mesma maneira que os bancos, num processo mais formal, chamado de “conheça seu cliente”. Só que isso não resolve o risco de contágio na economia caso as criptomoedas virem pó de uma hora para outra.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)