Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Alta de juros e China causam liquida total no mercado

Bolsas, petróleo e minério começam semana em queda. Resultados das big techs, ao longo da semana, são fio de esperança para investidores.

Por Tássia Kastner 25 abr 2022, 08h11

Bom dia!

O minério de ferro cai 3%. O petróleo, na casa dos 4%. Na Europa, as bolsas recuam mais de 2%, os futuros americanos vão perdendo 0,70%. Tem ainda o bitcoin, com baixa de 3%.

O final de semana pode ajudar a desanuviar os pensamentos, mas não faz com que os problemas desapareçam. Na semana passada, Jerome Powell, o presidente do Fed, contratou para a reunião da próxima semana a alta de 0,50 ponto percentual nos juros americanos. E do outro lado do oceano, o Banco Central Europeu finalmente começa a falar em subir juros neste ano para tentar amenizar os efeitos da inflação.

Juro alto significa menos dinheiro circulando na economia e, por consequência, no mercado financeiro. Investidores passam a ser mais seletivos em suas escolhas, daí o liquida geral que não poupa nem a boa fase que o Brasil viveu no primeiro trimestre do ano.

E existem os riscos – concretos – de desaceleração da economia global. Um que juro alto existe justamente para isso, é o jeito de jogar balde de água fria na inflação. A outra questão continua sendo a China, e sua política de tolerância zero com Covid. Daí a queda do petróleo e do minério, assombrados pela redução da demanda causada pelos lockdowns no país.

As big techs são o fio de esperança para estancar a sangria. Microsoft, Google, Meta, Apple, Amazon e  Twitter divulgam seus resultados ao longo da semana. Só que o trauma deixado pela Netflix na última semana tem tudo para azedar a festa.

Falando em Twitter, o The Wall Street Journal afirma que Elon Musk continua firme em sua proposta de comprar a rede social – e que a empresa está mais aberta a fechar um acordo também até o final da semana.

Compartilhe essa matéria via:
Humorômetro - dia com tendência de baixa
Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

Futuros S&P 500: -0,86%

Futuros Nasdaq: -0,78%

Futuros Dow: -0,80%

*às 8h02


Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): -2,24%

Bolsa de Londres (FTSE 100): -2,17%

Bolsa de Frankfurt (Dax): -1,63%

Bolsa de Paris (CAC): -2,35%

*às 7h43

Continua após a publicidade

 

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): -4,94%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): -1,90%

Hong Kong (Hang Seng): -3,73%

 

Commodities

Brent*: -3,96%, a US$ 102,43

Minério de ferro: -2,34%, a US$ 149,70 por tonelada em Cingapura

*às 7h40

 

Agenda

Dia de agenda esvaziada. 

market facts

Dividendo na conta

As 50 maiores empresas do país pagaram R$ 280,7 bilhões em dividendos no ano passado, segundo levantamento feito pelo Valor. Trata-se de um crescimento de 179% na comparação com 2020, ano em que a pandemia forçou empresas a reter dinheiro em caixa para atravessar a crise. Em alguns casos, como o dos bancos, quem mandou não pagar dividendo foi o Banco Central, inclusive. Vale e Petrobras foram responsáveis por 60% da bolada que pingou na conta dos investidores. Para 2022, portanto, o cenário fica mais incerto. O petróleo subiu para acima de US$ 100, mas tem tido comportamento volátil, enquanto o minério de ferro dependerá da China.

 

Vale a pena ler:

Ricos menos ricos

A renda dos trabalhadores mais ricos do país caiu 16% desde o começo da pandemia, de acordo com um levantamento feito pela Folha. A fatia 1% mais rica ganhava R$ 32.157 por mês no final de 2019. Dois anos depois, a renda média desse grupo caiu para R$ 26.899. A inflação foi a principal responsável pelo empobrecimento. Ainda assim, eles ganham 80 vezes mais que a camada mais pobre de trabalhadores. Leia a reportagem completa.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês