Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

O que você precisa saber para começar a semana

As eleições no Congresso podem decidir o rumo do seu dinheiro. Lá fora, as sardinhas do caso Game Stop elegem um novo alvo, e mostram que ainda tem muito caroço nesse angu.

Por Tássia Kastner e Alexandre Versignassi Atualizado em 1 fev 2021, 15h56 - Publicado em 1 fev 2021, 12h05

Nesta segunda, o Congresso escolhe os novos presidentes da Câmara e do Senado. E o resultado dessa eleição tem tudo a ver com o seu dinheiro.

Na Câmara, disputam Arthur Lira (amplamente apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro) e Baleia Rossi (candidato de Rodrigo Maia e que uniu a oposição ao presidente). Baleia Rossi liderava a disputa, de acordo com o acompanhamento de consultorias e veículos de imprensa, mas foi ultrapassado por Lira nas últimas semanas. A virada foi graças à intervenção pesada do governo federal, que acenou com a liberação de emendas parlamentares. 

No Senado, o candidato governista, Rodrigo Pacheco, também ganhou força, e o MDB abandonou o barco da candidatura de Simone Tebet em prol de Pacheco.

Se o cenário se confirmar, Bolsonaro terá um Congresso mais favorável. Fará diferença para a economia?

Provavelmente. Folha e Estadão publicaram reportagens neste domingo mostrando como a equipe econômica, sob a batuta de Paulo Guedes, está confiante que a troca de comando nas casas ajudará a destravar um caminhão de reformas empacadas: reforma administrativa e tributária, autonomia do Banco Central, privatização da Eletrobras.

Com o novo comando, as votações poderiam avançar. E o fato é que a economia precisa, sim, de reformas. Mas, claro, nada é tão simples. Sobram parlamentares contrários a boa parte das reformas. É o caso das privatizações, já que estatais são úteis na distribuição de cargos.

Além disso, Paulo Guedes insiste na volta da CPMF como peça essencial da reforma tributária. O impopular e ineficiente imposto que incidiria sobre todas as transações financeiras, porém, praticamente não tem apoio no Congresso. E não é a troca dos presidentes da Câmara e do Senado que vai destravar esse impasse.   

Além disso, se Lira vencer a presidência da Câmara, Bolsonaro passará os próximos meses pagando a fatura dessa eleição, cujo principal objetivo parace ser a autodefesa do mandato presidencial. Nas últimas semanas, cresceu a rejeição ao presidente, segundo pesquisas de opinião, e começa a haver alguma articulação em prol do impeachment. Neste domingo, Bolsonaro se aproximava do senador e ex-presidente Fernando Collor, e no final da semana passada, falava em recriar ministérios para acomodar os novos aliados. 

Há ainda a dúvida de qual será a solução para acomodar novas medidas de socorro econômico a famílias e empresas nesta segunda onda de pandemia. Porque se o objetivo é recuperar a popularidade perdida, os pagamentos são o atalho mais rápido. Isso em um governo que nem sequer aprovou o Orçamento de 2021. 

O toque de midas dessa confusão é a greve dos caminhoneiros, convocada para esta segunda. Se houver adesão, espere um bom susto na bolsa. Os estragos causados pelo movimento de maio de 2018 seguem frescos na memória dos brasileiros. Mas, se ela for um fiasco, poderá ser lido como uma vitória de Bolsonaro, já que caminhoneiros são uma categoria importante em sua base de apoio.

Revolução das sardinhas, semana 2

A turma do Reddit começou a virar seu canhão para a prata, para tentar lucrar em cima de quem apostava na queda dos preços do metal. Recapitulando: quem aposta na queda de um ativo (ações, metais, o que for) vende o tal ativo digamos, $100, mas sem possuir a coisa. A ideia é que a entrega aconteça só no futuro. Quando o futuro chega e o ativo está, tipo, a $ 70, o apostador compra no mercado a $70, entrega, e embolsa os $ 30 de diferença. 

Se o ativo vai a $120, depois a $150, depois a $800, os apostadores se veem obrigados a comprar no mercado por um preço bem mais alto. Além de amargar o prejuízo, eles acabam forçando mais altas no ativo, já que passam a comprar loucamente.

É isso que o pessoal dos fóruns busca provocar. Eles compram barato no início do processo. Essas compras fomentam a subida, e levam quem apostou na baixa a ir às compras antes que seja tarde demais. Essas compras subsequentes forçam os preços mais para o alto, e quem comprou barato lá no início se vê com lucros absurdos. É o que o mercado chama de short squeeze – o ato de “apertar” (squeeze) uma aposta na baixa (short sale), até que ela quebre. Isso acontece o tempo todo no mercado financeiro. A novidade é que, desta vez, foi um movimento coordenado de sardinhas (pequenos investidores) para ganhar dos tubarões (os grandes, em geral gestores de fundos). E deu certo.

Agora, depois de causar uma alta artificial nas ações do obscuro GameStop, e quebrar as pernas dos grandes fundos que apostavam na queda dos papéis, a turma do Reddit passou a comprar prata em bloco, com o mesmo intuito. 

Continua após a publicidade

É mais um indício que a turbulência causada pela revolução das sardinhas vai continuar lá no mercado americano. E foi esse movimento que levou as bolsas americanas a terem a pior semana desde outubro. 

Por aqui, começou-se a formar um conluio para fazer short squeeze nas ações do IRB Brasil, já que não faltam tubarões apostando na queda dele. Mas a CVM achou por bem deixar claro que isso pode ser considerado crime.

Mesmo com a interferência, uma coisa aconteceu: não havia ações do IRB para alugar na XP – e ações para alugar são a base da aposta na queda, como explicamos aqui. Também sumiram papéis da Gol e da Azul.

Segundo dados compilados pelo fórum Traders Club, as empresas mais alugadas eram CVC, Gafisa, MRV, Aliansce e EDP. IRB era a oitava empresa, Gol a nona. 

Quer dizer: é hora de ajustar as velas e observar o nado das sardinhas. Elas claramente continuam de olho nos tubarões.

*

A Faria Lima também vai falar desses assuntos

Balanços de bancos: saem nesta semana os resultados de Itaú (segunda, após o fechamento de mercado), Santander (na quarta de manhã) e Bradesco (na quarta após o fechamento). As ações dos grandes bancos caíram bastante ao longo de 2020, por juros baixos (que afetam os lucros), renegociação de dívidas em massa e limite no pagamento de dividendos. A recuperação no valor dos papéis vai depender de como eles fecharam o ano e das expectativas para 2021.

Balanços na gringa: saem na terça os dados da Amazon e do Google. A Amazon foi uma das grandes vitoriosas da pandemia. O Google chegou a apresentar queda de receita.

Indústria: O IBGE vai mostrar na terça como fechou a produção industrial brasileira em 2020. Até novembro, o setor já havia se recuperado das perdas da pandemia, mas a retomada era desigual. Na quinta, a Anfavea mostra como foi a produção de veículos em janeiro.

Prévia da Petrobras: na terça, a estatal divulga dados sobre sua produção no quarto trimestre (e no ano todo, portanto). Esses dados são uma prévia do balanço financeiro da companhia. A Vale divulga seus dados de produção na quarta.

*

Três links que merecem a sua atenção: 

Por que é mais difícil fazer um short squeeze no Brasil (VC S/A)

Criador do Short Squeeze IRB falou sobre o movimento brasileiro (Valor Investe)

Qual é a ligação de Elon Musk com a revolução das sardinhas? (NYT)

Continua após a publicidade
Publicidade