Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Votação da PEC é adiada, e traga Ibovespa para a casa dos 100K

Índice cai para 100.774 pontos: menor patamar desde 5 de novembro de 2020.

Por Juliana Américo, Alexandre Versignassi Atualizado em 2 dez 2021, 07h22 - Publicado em 1 dez 2021, 18h52

A queda de 1,12% no Ibovespa nesta quarta levou o índice para sua pior pontuação em quase 13 meses. Como comentamos ontem, 100 mil pontos já foi motivo de festa. Em 2020, marcou a recuperação dos preços das ações, que tinham ido ao fundo do poço em março daquele ano. A marca tinha sido atingida pela primeira vez bem antes do tombo pandêmico: em 19 de junho de 2019. 

Agora, então, é como se tivéssemos voltado dois anos e meio no tempo. Entre 19/06/2019 e hoje, o S&P 500 subiu 54%. O Ibovespa, 0% – e levando couro da inflação, que acumulou 15% nesse período.  

E olha que o mercado tinha acordado confiante nesta quarta-feira. 

O motivo? Hoje era o dia do último capítulo da segunda temporada da PEC dos Precatórios. Mas Brasília está cheia de plot twists.  

A votação já estava na agenda do Senado, marcada para começar às 16h. Acontece que a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça, que fica no Senado) precisou sabatinar André Mendonça. O ex-ministro da Justiça foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro ao STF. Isso levou o dia todo e acabou ocupando o espaço dedicado à PEC. 

Por causa disso, o relator da PEC, Fernando Bezerra, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, optaram por deixar a votação para amanhã. A agenda lotada também foi uma boa desculpa para Bezerra ganhar tempo e conquistar mais alguns senadores. Assim, fica mais fácil conseguir os 49 votos necessários para aprovar o texto no plenário.

Só para relembrar: a PEC visa adiar o pagamento das dívidas judiciais da União para abrir espaço no Orçamento de 2022. Assim, o governo consegue pagar o Auxílio Brasil de R$ 400 sem estourar o teto de gastos. Além disso, ela também altera o cálculo do teto – hoje, é levado em conta o IPCA acumulado em 12 meses até junho do ano anterior. A proposta indica que o cálculo considere a inflação de janeiro a dezembro. 

O mercado está ansioso para que a PEC seja aprovada, porque isso significa um risco fiscal menor. Caso a proposta não saia do papel, o governo pode decretar um novo estado de calamidade pública – tirando qualquer limite de controle de gastos em pleno ano eleitoral. 

Resultado: Ibovespa de volta à casa dos 100 mil pontos redondos. A indicação de Mendonça, só para constar, foi aprovada: 18 votos a favor e nove contra. 

Wall Street

Lá fora, o dia também não foi de céu azul. Os índices americanos começaram o dia sinalizando uma recuperação do tombo de ontem. O mercado até superou um segundo discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, confirmando a intenção de acelerar a retirada dos estímulos econômicos – só para relembrar: depois de passar meses dizendo que a inflação americana era um fenômeno transitório, Powell deu o braço a torcer ontem e afirmou que não, que os preços sobem em grande parte porque o Fed imprimiu dólares demais – e que agora vai ter de fechar a torneira.  

Durante a audiência no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, Powell disse que o banco central americano vai discutir o ritmo do tapering (que é a redução dos estímulos) na próxima reunião, marcada para os dias 14 e 15 de dezembro.

Ele ainda destacou que o Fed está mesmo retirando a expressão “temporária” de seus relatórios de inflação – de forma coerente com a afirmação de ontem.   

Mas rolou um plot twist lá também: o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA confirmou o primeiro caso da variante Ômicron no país (no Brasil, isso aconteceu ontem, com dois casos confirmados no Estado de São Paulo).

Essa foi a gota d’água que desandou com o rumo positivo de Wall Street. O Nasdaq derrapou 1,83%, aos 15.254 pontos. Enquanto o S&P 500 caiu 1,18%, aos 4.512 pontos. 

Temos (algumas) vagas

Mas teve notícia boa também. Lá nos EUA, o setor privado desacelerou a criação de postos de trabalho no mês de novembro, de acordo com o relatório divulgado pela ADP, empresa que administra as folhas de pagamentos de boa parte das companhias americanas. 

No período, foram criados 534 mil postos de trabalho – uma redução, quando comparada às 571 mil vagas que abriram em outubro. Ainda assim, o resultado ficou acima das previsões, que apontavam para apenas 506 mil postos. 

Mas a ADP é só uma prévia. O mercado quer saber mesmo é do payroll, que sai na sexta-feira. Trata-se do relatório oficial de como anda o mercado de trabalho lá nos EUA, que inclui as vagas do setor público e uma leitura mais ampla do privado.

Commodities 

O preço do minério de ferro avançou 2%, no porto chinês de Qingdao, para US$ 104,49 a tonelada. É o nível mais alto desde 29 de outubro, quando encerrou a US$ 107,28. Apesar da melhora, a desvalorização acumulada do minério em 2021 ainda é de 34,9%. 

Parte do nosso setor de mineração e siderurgia acompanhou a alta de hoje. O destaque ficou com a Metalúrgica Gerdau (GOAU4), que subiu 1,78%. Em seguida, estão as altas da Gerdau “normal” (GGBR4, 1,51%) e Vale (0,31%). Já a Usiminas ficou no negativo (-0,96%), junto com a CNS (-0,51%). 

O petróleo, por outro lado, não teve um bom dia: o tipo Brent, que é referência internacional, caiu 0,52%. Já o WTI, referência no mercado americano, recuou 0,92%. 

As quedas aconteceram na véspera da reunião dos maiores exportadores da commodity, a Opep+. O grupo irá discutir sobre a sua produção mensal e as ameaças da Ômicron no setor. A expectativa do mercado é de que o plano de ampliar a produção em 400 mil barris por dia durante o mês de janeiro seja cancelado – uma eventual ascensão da variante derrubaria a demanda, mal momento para aumentar a oferta. 

Continua após a publicidade

Mesmo assim, nossas petrolíferas brasileiras conseguiram se segurar. Os papéis da Petrobras subiram 0,41%, seguidos de perto pela PetroRio (0,30%).

E para amanhã, fica o suspense: o Ibovespa perde os três dígitos? Organize o seu bolão aí. 

Maiores altas

Braskem (BRKM5): 5,91%

Suzano (SUZB3): 3,28%

Metalúrgica Gerdau (GOAU4): 1,78%

Gerdau (GGBR4): 1,51%

Weg (WEGE3): 0,81%

Maiores baixas

Magalu (MGLU3): -11,15%

Méliuz (CASH3): -10,37%

Locaweb (LWSA3): -9,93%

Via (VIIA3): -8,29%

Marfrig (MRFG3): -7,21%

Ibovespa: -1,12%, aos 100.774 pontos

Em NY:

S&P 500: -1,18%, aos 4.512 pontos

Nasdaq: -1,83%, aos 15.254 pontos

Dow Jones: -1,34%, aos 34.021 pontos

Dólar: 0,63%, a R$ 5,6708

Petróleo

Brent: -0,52%, a US$ 68,87

WTI: -0,92%, a US$ 65,57

Minério de ferro: 2,05%, US$ 104,49 no porto de Qingdao (China)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)