Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Um pepino chamado inflação em ano eleitoral

Brasília mete os pés pelas mãos ao tentar baixar a conta de luz e os preços dos combustíveis. Entenda algumas das medidas.

Por Tássia Kastner 26 Maio 2022, 08h01

Brasília continua focada em reduzir o custo da energia e dos combustíveis com o chapéu alheio. A Câmara aprovou ontem um teto de 17% para a cobrança de ICMS (um imposto estadual) sobre produtos e serviços considerados essenciais. Entraram na lista, além de combustíveis e conta de luz, serviços de telefonia.

Os governadores se articulam para barrar a medida no Senado e até no Supremo, se necessário.

Antes disso, o presidente da Câmara, Arthur Lira, já havia ameaçado com a suspensão dos reajustes de contas de luz, o que configuraria quebra de contrato. O foco é tentar conter a inflação que está em 12% ao ano e afeta a popularidade do presidente – e dos políticos em geral – em ano eleitoral. O problema são os métodos heterodoxos – um filme que você já viu antes, sob o governo Dilma.

Não foi preciso fazer isso via Congresso, já que a Aneel, a agência reguladora, já começou a intervir nos aumentos de tarifas.

Ontem, foi anunciada a suspensão temporária do aumento na conta de luz na Cemig. O plano é tentar usar o dinheiro da privatização da Eletrobras para evitar o aumento.

Segundo o Valor Econômico, a Cemig propôs usar créditos tributários para abater reajustes. Do lado do governo, o plano é usar R$ 5 bilhões do dinheiro levantado com a venda da estatal para conter altas de preços nas contas de luz em todas as distribuidoras.

A Cemig é uma empresa listada na bolsa, mas 60% das ações com direito a voto estão sob controle estatal.

A Eletrobras deve protocolar o plano de venda de ações na CVM e na SEC nesta quinta, mais tardar sexta-feira. E a ideia é precificar as novas ações em apenas duas semanas. O governo teme que a proximidade com o verão no hemisfério norte e as eleições dificulte a operação.

Se sair a venda – e tudo indica que sairá –, o consumidor pode até ganhar um alívio na conta de luz no ano eleitoral. Para o longo prazo, o cenário é mais sombrio, já que a privatização inclui a obrigatoriedade de construir usinas térmicas onde não há oferta de gás.

Isso sem falar nas intervenções do governo na Petrobras, que se prepara para o quarto CEO sob Bolsonaro – um presidente inconformado com as regras de funcionamento da companhia.

Compartilhe essa matéria via:

 

humorômetro: o dia começou com tendência de alta
VCSA/Você S/A

Futuros S&P 500: 0,11%

Futuros Nasdaq: -0,16%

Futuros Dow: 0,18%

*7h53

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): 0,40%

Bolsa de Londres (FTSE 100): 0,13%

Bolsa de Frankfurt (Dax): 0,39%

Bolsa de Paris (CAC): 0,53%

Continua após a publicidade

*às 7h51

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): 0,25%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): -0,27%

Hong Kong (Hang Seng): -0,27%

 

Commodities

Brent*: 0,71%, a US$ 114,84

Minério de ferro: -1,15%, a US$ 129,25 por tonelada na bolsa de Singapura

*às 7h52

Agenda

9h30: EUA divulgam revisão final do PIB do 1º trimestre de 2022. 

9h30: EUA publicam pedidos de auxílio desemprego

10h30: Receita Federal divulga arrecadação de abril.

Datafolha divulga nova pesquisa eleitoral para presidente

market facts

Concorrência?

A Petrobras assinou após a greve dos caminhoneiros um acordo com o Cade para vender suas refinarias. Tudo indica que isso não foi o bastante para elevar a concorrência no setor. Agora, o órgão de defesa da concorrência investiga duas práticas anticompetitivas. 1) se a Petro vende o petróleo a um preço maior para a refinaria privada Landulpho Alves (RLAM), na Bahia. Só que a própria RLAM é investigada por vender combustível acima do preço no Estado, já que lá ela não enfrenta concorrência da estatal. A PETR4 fechou ontem em alta de 1,42%.

Perdeu o prazo

Elon Musk vai precisar tirar mais dinheiro do próprio bolso se realmente quiser comprar o Twitter. Segundo o Financial Times, Musk perdeu o prazo para contratar uma linha de crédito que tinha como garantia ações da Tesla. Ainda assim, o bilionário teria reafirmado sua intenção de compra a acionistas da companhia. As ações do Twitter sobem 5% no pré-mercado por causa da notícia.

 

Vale a pena ler:

Perspectiva

O ministro Paulo Guedes está em Davos para o Fórum Econômico Mundial. Lá, em uma palestra fechada, foi questionado sobre uma eventual vitória de Lula nas eleições em outubro. Em sua resposta, Guedes disse que “Eles são piores que a gente”. Uma construção no mínimo curiosa para quem afirma fazer um bom trabalho. Leia aqui as explicações do ministro.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)