Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Quer entender rapidinho por que existe inflação? É fácil.

De cada R$ 100 em circulação, R$ 25 nasceram depois da pandemia. Com o dólar, idem. É por isso que os preços sobem.

Por Alexandre Versignassi, Guilherme Jacques Atualizado em 7 jan 2022, 10h47 - Publicado em 7 jan 2022, 08h21

Em 2002, havia R$ 800 bilhões na economia brasileira na forma de notas, moedas, depósitos em conta corrente e investimentos fáceis de sacar (o dinheiro efetivamente em circulação). 

Hoje são R$ 4 trilhões: 400% a mais. Tudo isso é dinheiro novo que o banco central vai produzindo para emprestar aos bancos todos os dias. E os bancos reemprestam para você fazer suas compras a prazo.

Se a produção de novos bens e serviços aumenta no mesmo ritmo da produção de dinheiro, a inflação é zero. Mas não é o que acontece. O normal é que passe a existir mais dinheiro do que coisas para comprar com esse dinheiro. Então os preços sobem. No Brasil, subiram 200% desde 2002. É a nossa inflação dos últimos 20 anos.   

Com o dólar é a mesma coisa. Em 2002, havia US$ 5,4 trilhões em circulação. Hoje são US$ 21,4 trilhões. 300% a mais. Como eles cresceram mais do que nós, ou seja, passaram a contar com muito mais bens e serviços nos últimos 20 anos, a inflação deles foi menor que a nossa: 55%.     

Os bancos centrais não imprimem dinheiro por diversão, ou por estarem mancomunados com banqueiros perversos. O fazem para estimular a produção de mais bens e serviços. O dinheiro, no fundo, é só uma gamificada na tentativa de fazer com que pessoas produzam coisas – e gerem empregos, que são tudo o que importa. 

Da pandemia para cá, para evitar o desemprego em massa, os bancos centrais ligaram as impressoras a toda.

Dos R$ 4 trilhões que giram no Brasil, R$ 1 trilhão foi emitido de 2020 para cá. Ou seja: 25% de todos os reais em circulação tem menos de dois anos de idade. Nos EUA, essa porcentagem é de 28%. 

Compartilhe essa matéria via:

É por isso que o Brasil vive sua maior inflação desde 2015; e os EUA, desde 1982.

Para combater a inflação, os bancos centrais drenam dinheiro da economia. Acontece de tempos em tempos – é quando os juros sobem. Outro mecanismo é o banco central vender títulos de dívida que tem cofre, e segurar no cofre a grana que entra (veja aqui, na nossa coluna de fechamento de mercado, como tudo isso funciona).

O ponto é: nesses momentos de drenagem de dinheiro, quem mais tem dinheiro (os grandes investidores) passam a contar com menos capital para fazer suas apostas. Sobra menos para arriscar na bolsa. E ainda menos para coisas mais arriscadas. É por isso que o Bitcoin já caiu 40% desde seu último pico, em novembro.

 

Continua após a publicidade

market facts

Fim da Uber Eats

A Uber anunciou que não vai mais entregar refeições no Brasil a partir do dia 7 de março. A operação, chamada Eats, é oferecida no Brasil desde 2016. O movimento, segundo o comunicado da companhia, visa concentrar esforços no delivery de pacotes (o Uber Flash) e de compras em supermercados e pet shops, por meio da Cornershop. Vale lembrar que a Uber concluiu a aquisição da chilena Cornershop no ano passado, justamente para aumentar sua participação neste tipo de serviço.

Outro motivo, o maior, é a pressão exercida pelo iFood – que domina 70% do mercado de delivery de restaurantes no país. No ano passado, a Uber e outros players de entrega de refeições recorreram ao Cade para denunciá-lo. A acusação é de que o iFood força contratos de exclusividade com restaurantes, impondo barreiras à concorrência.

Maior alta nos alimentos desde 1975

Segundo a FAO, órgão da ONU para alimentação e agricultura, o preço mundial dos alimentos subiu 28% no ano passado. Trata-se do maior patamar desde 1975, quando o preço de tudo no mundo subiu por conta da Crise do Petróleo. Ainda assim, o dado de dezembro mostrou uma redução de 0,9% em relação a novembro.

Vale a pena ler:

A tecnologia em 2022

O The New York Times apontou e explicou quatro tendências tecnológicas para este ano: o metaverso, as casas inteligentes, os dispositivos para controle de indicadores de saúde e os carros elétricos. Nenhuma delas é uma grande novidade no universo tech. Mas, depois de serem ventiladas por algum tempo, todas devem, finalmente, se firmar em 2022. Leia a reportagem aqui.

Sobre os planos para a economia

Ao longo da semana, a Folha de São Paulo publicou artigos com o pensamento econômico de pré-candidatos à presidência. Foram representados: Ciro Gomes, por Nelson Marconi; João Dória, por Henrique Meirelles; Lula, por Guido Mantega; e Sérgio Moro, por Affonso Celso Pastore. Agora, o jornal ouviu a avaliação de analistas econômicos sobre os quatro textos e suas propostas. Leia.


*A versão original deste conteúdo foi publicada na newsletter Abertura de Mercado 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VC S/A! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VC S/A, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VC S/A, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

App VC S/A para celular e tablet, atualizado mensalmente.


a partir de R$ 12,90/mês