Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Petrobras avisa: preço do diesel vai subir, de um jeito ou de outro

Estatal afirma que cenário global é de escassez da commodity. A nota vem justamente enquanto o governo se esforça para diminuir o preço em ano eleitoral.

Por Bruno Carbinatto 9 jun 2022, 08h22

Dois dias depois do pacote de medidas para diminuir os preços dos combustíveis apresentado pelo governo, a Petrobras publicou, ontem à noite, uma nota em que deixa claro: o preço do diesel está em alta no mercado internacional e assim continuará.

Na avaliação da estatal, a situação é de escassez global na oferta da commodity, e, “como o país é estruturalmente deficitário em óleo diesel, tendo importado quase 30% da demanda total em 2021, poderá haver maior impacto nos preços e no suprimento”. Ou seja: o preço por aqui também vai aumentar, queira ou não.

Segundo a petroleira, a escassez no mercado internacional não é nova, mas pode piorar agora por três motivos: i) a demanda mundial costuma ser maior no segundo semestre; ii) as sanções à Rússia continuam e devem se agravar e; iii) refinarias nos Estados Unidos e no Caribe começam a enfrentar a temporada de furacões, que vai de junho a novembro e pode afetar seu funcionamento e, portanto, a oferta.

A Petro também cita que, no mercado interno, a demanda por diesel também tende a aumentar no segundo semestre porque o “consumo é historicamente mais alto devido às sazonalidades das atividades agrícola e industrial”.

O comunicado da Petrobras é divulgado no momento em que o governo e o Congresso se empenham em um plano para a redução dos preços dos combustíveis. Embora não cite isso explicitamente, a mensagem da nota é: atenção, esses esforços não terão o resultado esperado. Não dá para fazer chover diesel do céu. Sem oferta, o preço aumenta, apesar de qualquer estratégia que o governo busque. 

O tom da nota ainda sinaliza que novos reajustes podem vir a qualquer momento.

Além disso, no texto, a estatal voltou a defender sua política de preços, algo que já fez várias vezes, mas dessa vez foi ainda mais incisiva: “a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado é condição necessária para que o país continue sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos diversos agentes”. Ou seja: se mudar sua política, como vem sendo pressionada pelo governo, vai faltar.

Mais um capítulo que vai dar o que falar na novela dos combustíveis.

Enquanto isso, lá fora, o dia começa morno nos EUA e bolsas caem na Europa à espera da decisão do Banco Central Europeu, que deve sinalizar quando o aumento dos juros começará no bloco. 

Boa quinta.

Compartilhe essa matéria via:
humorômetro: o dia começou com tendência de alta
VCSA/Você S/A

Futuros S&P 500: 0,55%

Futuros Nasdaq: 0,63%

Futuros Dow: 0,48%

*às 8h08

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): -0,40%

Bolsa de Londres (FTSE 100): -0,40%

Bolsa de Frankfurt (Dax): -0,61%

Continua após a publicidade

Bolsa de Paris (CAC): -0,27%

*às 8h13

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): -1,05%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): 0,04%

Hong Kong (Hang Seng): -0,66%

Commodities

Brent*: 0,10%, a US$ 123.70

Minério de ferro: -2,21%, cotado a US$ 141,85 por tonelada em Cingapura

*às 08h04

Agenda

8h45 Banco Central Europeu divulga decisão monetária

9h IBGE divulga IPCA de maio

9h30 Christine Lagarde, presidente do BCE, faz coletiva de imprensa pós decisão monetária

9h30 Departamento do Trabalho dos EUA divulga número de novos pedidos de auxílio-desemprego no país

market facts

Planos de saúde

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) votou, nesta quarta-feira (8), para retirada da obrigação de operadoras de planos de saúde de custear procedimentos não incluídos na lista de cobertura estabelecida pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).

O tribunal entendeu que a lista é taxativa, ou seja, definitiva, sem possibilidade de interpretações, revertendo o entendimento que predominava anteriormente e se alinhando à posição defendida pelas empresas que atuam no setor. Apenas três votos defenderam a posição de que a lista é exemplificativa, ou seja, que contém apenas outros exemplos básicos e outros procedimentos fora dela também devem ser pagos pelos planos, dependendo das necessidades específicas de cada paciente.

A decisão afeta milhões de usuários de planos de saúde. Mas não deve parar por aí. A palavra final provavelmente será do STF, que já analisa uma ação sobre o tema.

Vale a pena ler:

Violência na Amazônia

O Vale do Javari, local onde o jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira desapareceram no domingo, é palco de crescentes invasões por  quadrilhas de caçadores e pescadores. Entenda o tamanho do problema nesta reportagem da BBC Brasil. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês