Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mercado começa agosto a passos tímidos

Payroll, Copom e balanços dividem o foco dos investidores na semana. Futuros dos EUA apontam para baixo.

Por Júlia Moura, Alexandre Versignassi 1 ago 2022, 08h19

Bom dia!

O mercado financeiro entrou em agosto um tanto quanto tímido após a farra de julho. Nos Estados Unidos, os índices tiveram o melhor mês desde 2020 e, por aqui, o Ibovespa subiu 4,69% no mês passado, com a disparada da Petrobras – 23% no mês, quase metade disso após anunciar seu dividendo-monstro no meio do penúltimo pregão de julho (R$ 6,73 por ação – yield de 21,5% sobre o preço do dia anterior). 

Agora, investidores esperam a próxima música com cautela. Podem vir por aí novos toques eletrizantes de commodities em alta e balanços generosos, ou algo um pouco mais fúnebre, com ares de recessão.

A segunda já começou com dados negativos: quedas na atividade das indústrias na China e na Europa, segundo o PMI (sigla em inglês para Índice dos Gerentes de Compras). Ele é calculado com base em um relatório que os responsáveis pelas compras do setor da indústria preenchem. O objetivo é identificar as tendências do setor ouvindo quem trabalha na área, traduzindo isso em pontos, de zero a 100. Só que o zero ali não é o zero. É o 50. Se der mais do que 50, verificou-se uma tendência de alta. Menos de 50, uma de baixa.

PMI industrial de julho:

▪️ Alemanha: caiu de 52 para 49,3 pontos

▪️ Reino Unido: caiu de 52,8 para 52,1 pontos 

▪️ Zona do Euro: caiu de 52,10 para 49,8 pontos

(Na Europa, os dados estão no menor nível em 25 meses)

▪️ China: caiu de 51,7 para 50,4 pontos

Além disso, os futuros nos EUA amanheceram olhando para baixo: -0,21% para o S&P 500 às 7h48.

Só iremos reconhecer mesmo a batida na sexta, com o payroll americano, que irá retratar a saúde do mercado de trabalho dos EUA em julho. O baixo desemprego no país, atualmente em 3,6%, tem sido o argumento de economistas e membros do governo Biden para rechaçar a hipótese de já estarem em recessão, após duas quedas seguidas do PIB trimestral (-1,6% e -0,9%) na primeira metade de 2022. O movimento em si configura recessão técnica, mas economistas argumentam que é necessário olhar para demais fatores além dos números em si.

Com um pouco menos de emoção, o Banco Central define a nova alta da Selic na quarta-feira. Deve vir por aí um aumento de 50 pontos percentuais, levando a nossa taxa básica de juros para 13,75% ao ano. E a expectativa do mercado é que ela fique assim por um tempo. Resta saber quais indicativos a autoridade monetária dará em seu comunicado.

No mais, a semana está cheia de balanços do segundo trimestre. Lá nos EUA, grandonas como Uber, Caterpillar e Starbucks divulgam seus números. Por aqui, os destaques ficam com Cielo, Gerdau, PetroRio, Bradesco, Embraer e Lojas Renner.

Bons negócios.

Compartilhe essa matéria via:
Humorômetro - dia com tendência de baixa
Futuros S&P 500: -0,21% Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

Futuros Nasdaq: -0,23%

Futuros Dow: -0,08%

*às 7h48

Europa
Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

Índice europeu (EuroStoxx 50): 0,39%

Bolsa de Londres (FTSE 100): 0,37%

Continua após a publicidade

Bolsa de Frankfurt (Dax): 0,37%

Bolsa de Paris (CAC): 0,33%

*às 7h45

Fechamento na Ásia
Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): 0,45%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): 0,69%

Hong Kong (Hang Seng): 0,05%

Commodities
Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

Brent: -1,16%, a US$ 102,76

Minério de ferro: -0,83%, cotado a US$ 114,15 por tonelada em Cingapura

*às 7h08

market facts
O salto do Ethereum: 57% em um mês  Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

O inverno cripto segue gelado, mas não congelante. Depois de cair abaixo da linha vermelha dos US$ 20 mil, o Bitcoin começa agosto em US$ 23 mil – alta de 19% nos últimos 30 dias. Mas o rebote mais forte entre as duas criptos mais importantes foi o do Ethereum. A cripto que movimenta o universo DeFi saltou de US$ 1.055 há um mês para os atuais US$ 1.659. Alta de 57%. 

Vale a pena ler:
Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

O cabo de guerra do trabalho híbrido

Elon Musk decidiu “decretar” o fim do trabalho remoto – e errou feio. Profissionais e a ciência mostram que o novo regime de trabalho, mais produtivo, é o flexible office. Veja nesta reportagem da Você SA.

Agenda
Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

10h45 – PMI industrial final e PMI composto de julho dos EUA, medido pela S&P Global

11h – PMI industrial final de julho, medido pela ISM

11h – investimentos em construção nos EUA em julho, dados do Departamento do Comércio americano

Temporada de balanços
Laís Zanocco e Tiago Araujo/VOCÊ S/A

Depois do fechamento – Movida, Grupo SBF, Marcopolo, Pague Menos e TIM 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês