Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Investidores prendem a respiração à espera da inflação americana

A grande questão é: a escalada dos preços por lá chegou em seu pico? E mais: conseguirá o Fed combatê-la sem colocar a economia em recessão?

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 10 jun 2022, 08h12 - Publicado em 10 jun 2022, 08h11

Senhoras e senhores, lá vem ela.

A inflação americana volta a ditar as regras do jogo nesta sexta-feira, com o Consumer Price Index (CPI) – o equivalente ao nosso IPCA – sendo divulgado hoje às 9h30.

A questão central será analisar se a escalada de preços por lá finalmente chegou no seu pico, como os mais otimistas esperam. Segundo projeções do The Wall Street Journal, espera-se que, em maio, o índice tenha fechado em 8,3%, o mesmo de abril. Já analistas ouvidos pela Bloomberg apostaram num número um cadinho menor: 8,2%.

Quanto ao núcleo do CPI, que não inclui o preço de componentes altamente voláteis como energia e alimentos, espera-se um ganho de 0,5 em maio, contra 0,4 em abril.

Em março, a inflação por lá foi de 8,5%, a maior em mais de quatro décadas. Agora, investidores esperam que a nova divulgação vá mostrar que o aumento de juros no país já começa a cumprir seu papel de enfrentar o aumento dos preços. Afinal, o seu efeito colateral – risco de recessão – já vem sendo sentido pelo mercado, e com força total.

O número também servirá para Wall Street recalcular suas apostas de como o Fed se comportará com sua escalada dos juros no país. O consenso é que, para as próximas duas reuniões, a taxa deverá subir em 0,5 pontos percentuais em cada uma – mas, depois disso, é um mistério que divide opiniões. Outro mistério é se a economia americana vai aguentar o tranco ou se vai entrar em recessão. Nas últimas semanas, o pessimismo quanto a essa questão dominou o mercado e fez as bolsas sangrarem.

Da China, hoje, sinais mistos: a inflação por lá veio menor que o esperado – alta de 2,1% em maio, pouco abaixo da previsão (2,2%), o que fez o índice CSI 300 fechar com forte alta. 

Mas o avanço da Covid-19 volta a preocupar, ainda que em segundo plano. O governo chinês colocou 2,6 milhões de habitantes de Xangai em lockdown temporário após a detecção de 4 novos casos da doença em um distrito da cidade. A ideia é que as restrições durem apenas alguns dias até que todo mundo seja testado, mas nunca se sabe quando o lockdown total pode voltar.

Resultado: os índices futuros americanos operam mistos nesta manhã, a espera de um dado concreto para guiar o humor.

Bons negócios.

Compartilhe essa matéria via:
humorômetro: o dia começou sem tendência definida
Arte/VOCÊ S/A

Futuros S&P 500: -0,16%

Futuros Nasdaq: 0,07%

Futuros Dow: -0,27%

*às 7h57

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): -1,86%

Continua após a publicidade

Bolsa de Londres (FTSE 100): -1,17%

Bolsa de Frankfurt (Dax): -1,47%

Bolsa de Paris (CAC): -1,66%

*às 7h58

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): 1,52%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): -1,49%

Hong Kong (Hang Seng): -0,29%

Commodities

Brent*: 0,85%, a US$ 124,11

Minério de ferro: -1,41%, cotado a US$ 139,60 por tonelada em Cingapura

*às 08h04

Agenda

9h30 Departamento do Comércio dos EUA divulga CPI de maio e Núcleo do CPI de maio

market facts

Tiro pela culatra?

A redução de impostos sobre combustíveis e energia anunciada pelo governo nesta semana pode ter o impacto oposto do esperado – aumentar a inflação no longo prazo. O alerta vem de pesquisadores da FGV-IBRE, em evento organizado em parceria com o Estadão. Segundo eles, pode até haver um alívio temporário nos preços, mas a inflação voltará mais forte e persistente depois, exigindo um ciclo de aumento de juros mais duradouro. 

Vale a pena ler:

Home office eterno: chefes vs empregados

Retorno ao escritório? Se depender dos trabalhadores, não, obrigado. Apesar de vários gestores americanos desejarem a volta do regime presencial, mais de 60% dos funcionários querem continuar a trabalhar de casa indefinitivamente. E até grandes companhias, como Apple e Google, estão tendo dificuldades em encontrar uma solução para esse impasse. Leia aqui, na reportagem do The New York Times.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)