Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Inflação global rouba o celular do mercado: no Ibovespa, rombo é de R$ 600 bilhões

Essa é a perda no valor de mercado do índice desde o início de abril. E a sangria continua: queda de 1,79% hoje. Bitcoin desaba 11%.

Por Alexandre Versignassi Atualizado em 9 Maio 2022, 17h49 - Publicado em 9 Maio 2022, 17h48

Já são cinco semanas seguidas de queda, aqui e lá fora. E esta segunda-feira ameaça abrir alas para uma sexta semana do cão: tombo de 1,79% no Ibovespa e de 3,20% no S&P 500. Até o início de abril, nossa bolsa seguia na contramão dos EUA, em alta no ano. Mas de lá para cá entramos no bonde da ladeira abaixo: queda de 15% em pouco mais de um mês, já contando a de hoje.

No fim de semana, viralizou no Twiter aquela história do paulistano que teve o celular furtado e se viu com um prejuízo de R$ 143 mil depois que os ladrões acessaram as contas de banco dele, certo? Então. É como se o Ibovespa tivesse passado por uma surpresa tão desagradável quanto. O índice perdeu R$ 600 bilhões em valor de mercado desde o começo de abril – o valor somado dos 92 papéis que compõem o Ibovespa caiu de R$ 4,2 trilhões para R$ 3,6 trilhões. 

O motivo é aquele mesmo: consolidou-se no mercado a certeza de que os juros americanos passarão por um longo e penoso ciclo de alta para combater uma inflação que saiu do controle. Aí o dinheiro fica mais caro, e sobra menos para os investimentos de risco. 

Bitcoin: 55% de queda desde o pico

E menos ainda para os de muito risco: na últimas 24 horas, o Bitcoin cedeu 11%. Agora está de volta ao patamar de US$ 30 mil, que a cripto não visitava desde julho de 2021. Desde o pico (R$ 67 mil em novembro do ano passado), a queda é de 55%.

Nisso, o Bitcoin já perdeu US$ 700 bilhões em valor de mercado – de US$ 1,3 tri lá há seis meses para US$ 600 bi hoje. 

Já o dólar segue subindo, apreciado pelas perspectivas sobre o ciclo de alta nos juros do Fed. Alta de 1,60% hoje, a R$ 5,15.

Petróleo e minério: -6%

Em alguns dias em que tudo vai mal lá fora, o Ibovespa tende a nadar contra a corrente, já que se beneficia das altas do petróleo e do minério de ferro, os produtos mais importantes das duas maiores empresas da bolsa, Petrobras e Vale (juntas, elas respondem por grossos 28% do Ibovespa).

Mas hoje não foi um desses dias. O petróleo caiu 6%, depois de a União Europeia ter vetado o plano de proibir os navios do bloco de transportar petróleo russo. O dólar mais caro também pressiona o preço do barril para baixo. E ainda tem os lockdowns na China, que diminuem a demanda. Resultado: queda de 2,72% para a Petrobras, de 8,60% para a Petrorio e de 8,70% para a 3R Petroleum.  

As medidas de Pequim contra a expansão da Covid também ajudaram a tragar o preço do minério de ferro. Queda de 6% para a commodity. E de 4,10% para a Vale.  

E é o que temos para hoje: choradeira generalizada no mercado. Pena que, nesse caso, não adianta ir reclamar no Twitter.  

Compartilhe essa matéria via:

Maiores altas

BTG (BPAC11): 3,61%

BRF (BRFS3): 2,75%

JHSF (JHSF3): 2,69%

Continua após a publicidade

Sabesp (SBSP3): 2,59%

Braskem (BRKM5): 2,51% 

Maiores baixas

Locaweb (LWSA3): -14,44%

Petz (PETZ3): -10,88%

Magalu (MGLU3): -9,07%

3R Petroleum (RRRP3): -8,70%

Petrorio (PRIO3): -8,60%

Ibovespa: -1,79%, a 103.250 pontos 

Em NY:

S&P 500: -3,20%, a 3.991 pontos

Nasdaq: -4,29%, a 11.623 pontos

Dow Jones: -1,99%, a 32.245 pontos

Dólar: 1,60%, a R$ 5,15

Petróleo

Brent: -5,75%, a US$ 105,94

WTI:-6,09%, a US$ 103,09

Minério de ferro: -6,25%, a US$ 129,30 por tonelada em Cingapura

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)