Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Conheça a ‘fábrica’ de índices para ETFs

Gabriel Verea, CEO da Teva Indices, conta o que faz a empresa.

Por Tássia Kastner Atualizado em 7 fev 2022, 15h06 - Publicado em 9 fev 2022, 09h00

Em 2021, os ETFs deslancharam. O número de investidores praticamente dobrou e bateu os 505 mil. A oferta de fundos também deu um salto: são 60, ante menos de 30 ao fim de 2020.  Nisso, abriu-se um mercado para a Teva Indices, uma empresa cujo negócio é criar índices alternativos para novos ETFs.

Nesta entrevista, Gabriel conta um pouco sobre o negócio da Teva e comenta a polêmica criada pelo fundo GURU11.

1. O que faz a Teva?

A gente produz índices que dão origem a ETFs. Cobrimos várias classes de ativos, como títulos privados, BDRs, títulos públicos. Nosso foco é complementar o mercado tradicional [os ETFs mais populares replicam a variação do Ibovespa e do S&P 500]. Um dos nossos índices, de microcaps, deu origem ao fundo TRIG11. Ele pega só as menores empresas da bolsa.

Continua após a publicidade

Outro índice é de commodities. Ele segue as empresas de commodities – lá fora existem índices do tipo, mas eles acompanham os preços dos produtos, não companhias.

2. Um dos índices deu origem ao GURU11, que segue carteiras de fundos com gestão ativa. A crítica é que ele quebraria a propriedade intelectual dos gestores.

Carteira de investimentos não é algo passível de propriedade intelectual. Além disso, o que a gente usa são as informações públicas e regulatórias. É um meio de o investidor acompanhar o mandato. Como o critério é pegar só os cinco melhores fundos em performance, acaba sendo um ranking dos melhores gestores. E ele cobre fundos fechados para captação, então não há concorrência direta.

Compartilhe essa matéria via:

3. O mercado de ETFs enfrenta a saída de investidores do mercado de ações. Isso não vai atrapalhar o crescimento da Teva?

A gente está trazendo mais opções de ETFs de renda fixa, pensando nessa migração de ativos. Quem compra títulos do Tesouro com prazo de 10 anos, daqui a cinco anos não está investido com prazo de 10 anos, mas de 5. Se o investidor compra um ETF, ele tem o balanceamento.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)