Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bolsas navegam sem Nova York – e podem ficar sem rumo

Investidores esperam dados de inflação, que saem na sexta, de olho nos efeitos que a alta do dólar poderá ter daqui para frente.

Por Tássia Kastner, Camila Barros 4 jul 2022, 08h23

Bom dia!

É feriado nesta segunda-feira em Nova York, o que tende a deixar os mercados globais sem direção. Investidores estão ainda mais dependentes dos rumos da economia americana e de Wall Street agora que a maior preocupação é com o risco de uma recessão no país.

A pausa nos EUA, no entanto, pode ser bem vinda para o Brasil, que precisa lidar com as próprias mazelas. Por aqui, economistas começam a rever suas projeções para o crescimento econômico baseados em dois pontos principais.

  1. A economia tem sido um pouco mais resiliente do que esperado;
  2. O pacotaço eleitoral que queima R$ 42 bilhões deve ser aprovado a toque de caixa pela Câmara nesta semana.

Uma injeção de estímulos dessa magnitude em curto espaço de tempo deve evitar que a economia brasileira se retraia neste ano, como era esperado. O Valor Econômico detalha aqui.

Só tem um problema. Isso não é de todo bom, já que a retração deve vir no próximo ano de qualquer maneira – e com uma dívida pública ainda maior. 

E com um problema adicional. A inflação. A torneira aberta do governo prende o Banco Central em um trabalho de Sísifo. Ele sobe juros para tirar dinheiro da economia e conter a inflação, o governo despeja do outro lado. Não resolve.

O IPCA de junho será divulgado na sexta-feira quase sem sentir o alívio do corte de impostos sobre os combustíveis, medida que entrou em vigor no finalzinho do mês passado. 

Tem mais um risco: o receio de torneira aberta do lado fiscal deixa investidores ariscos. E eles debandam do país. Isso faz o dólar subir, deixando produtos importados, alimentos e combustíveis mais caros. Pega também na inflação. O dólar fechou a semana passada em R$ 5,32, patamar que não era visto desde fevereiro do ano passado.

Talvez o dia de folga em Nova York seja bom. Investidores têm tempo de digerir os dilemas domésticos antes de a aventura da semana começar para valer.

 

Compartilhe essa matéria via:

humorômetro: o dia começou sem tendência definida

 

As bolsas americanas não abrem nesta segunda

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): 0,69%

Bolsa de Londres (FTSE 100): 1,07%

Continua após a publicidade

Bolsa de Frankfurt (Dax): 0,43%

Bolsa de Paris (CAC): 1,04%

*às 7h44

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): 0,66%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): 0,84%

Hong Kong (Hang Seng): -0,13%

Commodities

Brent*: -0,40%, a US$ 108,00

Minério de ferro: -4,34% em Singapura, a US$ 109,20 por tonelada

*às 7h46

Agenda

Agenda esvaziada

market facts

Comprar ou não?

Na última quinta-feira, o Fleury confirmou a fusão com o Hermes Pardini, algo definido por bancos de investimento como uma união há muito tempo esperada. Os investidores gostaram da notícia: no dia do anúncio, os papéis FLRY3 fecharam em alta de 16,10%, a R$ 16,30, e PARD3 subiu 18,99%, a R$ 19,99. Tão esperada, que pouco mudou na avaliação das companhias. O BTG decidiu permanecer neutro sobre a operação. O Fleury precisará fazer um aumento de capital para pagar a aquisição do concorrente, e isso tende a diminuir a participação dos grandes acionistas na nova companhia. O BofA também disse que a operação é positiva para as companhias, sem mexer em suas recomendações para os papéis. Já o Safra mudou a recomendação do Hermes Pardini de neutro para compra. No anúncio da fusão, o Fleury topou pagar 14% mais que o valor de mercado da atual companhia. 

Vale a pena ler:

OneCoin

Ruja Ignatova prometia democratizar o acesso às criptomoedas e incluir os desbancarizados no sistema financeiro. Com esse discurso, ela fundou a OneCoin, uma criptomoeda falsa que adquiria valor à medida que os compradores conseguissem vendê-la para mais pessoas. Era um esquema de pirâmide. Em 2017, ela sumiu do mapa com US$ 500 milhões. Este podcast da BBC, de 2019, contou a história da OneCoin e investigou o paradeiro de Ruja. Agora, ela foi incluída na lista dos 10 mais procurados do FBI. A BBC escreveu sobre isso aqui

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês