Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Bolsas ensaiam um rebote após “apagão” da segunda

Mercado europeu opera em alta com dados de inflação menores que o previsto. Índices futuros dos EUA entram no terreno positivo.

Por Alexandre Versignassi e Guilherme Jacques Atualizado em 5 out 2021, 08h54 - Publicado em 5 out 2021, 08h48

Ontem ficou claro: WhatsApp e Instagram fora do ar é um fenômeno capaz de gerar tanto pânico quanto um apagão generalizado. As ações do Facebook caíram quase 5%, puxando o resto do mercado global – já cheio de outros problemas, com a alta do petróleo, a inflação global e a ameaça de que a eventual falência da Evergrande, na China, funcione como um buraco negro para o sistema financeiro local (e eventualmente para o mundial).

Por enquanto, porém, o clima é de alívio. O Facebook, dono do Whats e do Insta, buscou afastar as suspeitas de que teria sido vítima de um ataque de hackers. Afirmou, basicamente, que deu pau em seus servidores – e que precisaram arrumar no braço, visitando fisicamente um de seus data centers. 

Seja como for, o mercado começou o dia com um certo alívio. Os índices futuros dos EUA apontavam para cima no início da manhã: 0,28% para o S&P 500 e 0,29% para o Nasdaq, que abriga as big techs, e tinha sofrido mais ontem. 

Na Europa, os índices operam em alta por conta de uma inflação menos ameaçadora que o previsto. Saiu hoje o PPI (Índice de Preços ao Produtor, na sigla em inglês) de agosto da zona do euro. É o IGP-M deles: dá os preços das matérias primas e do atacado – e serve de prévia para o futuro dos índices que mais importam: os de preços ao consumidor.

Previa-se uma alta de 1,2% no mês. Ficou em 1,1%. Sim, não é uma maravilha, mas ao menos indica um alívio na pressão inflacionária. Perto das 8h, o EuroStoxx50 operava numa satisfatória alta de 0,95%.

O fantasma da inflação, porém, segue rondando. O grande agente da alta global de preços é o barril do petróleo, que já subiu mais de 50% no ano. E nesta terça ele opera firme na faixa de US$ 82,23 numa insalubre alta de 1,19%.

Até amanhã.

 

humorômetro: o dia começou com tendência de alta
VCSA/Você S/A

Futuros S&P 500: +0,28%

Futuros Nasdaq: +0,29%

Futuros Dow: +0,30%

*às 8h03

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): +0,95%

Bolsa de Londres (FTSE 100): +0,70%

Bolsa de Frankfurt (Dax): +0,53%

Bolsa de Paris (CAC): +0,89%

*às 7h12

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): feriado

Bolsa de Tóquio (Nikkei): -2,19%

Continua após a publicidade

Hong Kong (Hang Seng): +0,28%

Commodities

Brent*: 1,19%, a US$ 82,23

Minério de ferro: -0,46%, a US$ 116,58 por tonelada em  Qingdao (China)

*às 8h36

Agenda

10h: Índice dos Gerentes de Compras no Brasil. Trata-se de uma pesquisa global feita pela Markit, uma consultoria britânica, com os responsáveis pelas compras nas empresas privadas. Se o número do índice vier acima de 50, significa expansão – abaixo, retração.

10h45: Índice dos Gerentes de Compras nos EUA 

17h30: EUA divulgam os seus estoques de petróleo. Se vierem baixos, será uma grande pressão por mais aumentos no barril – e vice-versa

market facts

Mais uma vítima

A ação da CVC caiu 7,04% depois que a companhia confirmou ser a vítima da vez de hackers. Depois de JBS, Fleury e Renner, a operadora de turismo teve seus sistemas sequestrados, em um ataque ransomware no último sábado. Junto com ela, todos os domínios do CVC Corp – Submarino Viagens e Experimento Intercâmbio. Nesse tipo de ataque, os criminosos bloqueiam o acesso a sistemas e arquivos. Para que o controle seja devolvido aos proprietários, eles exigem o pagamento de um valor de resgate em criptomoedas, para impossibilitar o rastreio.

Faltou

Não está fácil para quem busca um carro novo. Se no ano passado o problema era a demanda, por conta do isolamento, agora, o bicho pega na ponta da oferta. Sem os chips, que formam a base de de todas as funcionalidades de um automóvel moderno, as montadoras não conseguem colocar suas linhas de produção para funcionar a pleno. A Fenabrave apontou uma queda de 25,33% nas vendas de veículos novos em setembro em comparação com o mesmo período de 2020. No acumulado do ano, há crescimento, mas tímido: 14,78%. E deve diminuir, fechando em 4,8% segundo projeção da associação.

Mais um passo

Depois de adquirir a Easyinvest no ano passado e transformá-la em Nu invest (assim mesmo, separado em com a segunda palavra em minúscula), o Nubank anunciou que, ainda neste ano, deve liberar a compra e venda de ações em seu próprio aplicativo. Também disse que prepara uma campanha com influencers para divulgar a coisa.

Vale a pena ler:

Saudades de viajar, minha filha?

Pois é, as companhias aéreas, com certeza, estão com saudades de seus passageiros. E devem seguir por um bom tempo. Segundo a IATA, Associação Internacional de Transporte Aéreo, o setor deve passar por maus bocados até o final de 2022, quando os prejuízos devem alcançar US$ 201 bilhões. Enquanto em 2021 muitos atores da economia já enxergam uma luz no fim do túnel, as companhias aéreas devem fechar o ano com uma demanda global que representa 40% do registrado em 2019. O Valor Econômico detalha os números do rombo no setor e as perspectivas.

Inferno astral do FB

Depois de, literalmente, ter de lidar com uma queda nesta segunda-feira, o Facebook parece ter que se preocupar com outro tipo de tombo. Isso porque os problemas da menina dos olhos de Zuckerberg vão bem além da instabilidade para usuários. É o que aponta o New York Times (em inglês) através de uma série de razões que fazem crer no início do fim da rede social, a partir do escândalo denunciado pela ex-gerente de produto do FB no The Journal. Vale a leitura para entender detalhes que podem passar despercebidos aos nossos olhos.

Continua após a publicidade
Publicidade