Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bolsa americana ensaia pior primeiro semestre desde 1970

É a maior queda do S&P 500 em mais de 50 anos: 18%. Ibovespa tombou o mesmo tanto nos últimos três meses. E a tendência é piorar.

Por Alexandre Versignassi e Camila Barros Atualizado em 30 jun 2022, 18h53 - Publicado em 30 jun 2022, 08h21

Se a bolsa americana confirmar hoje a queda de 18% desde o início do ano, estaremos diante de uma estatística fúnebre: será a maior queda do S&P 500 desde 1970, e a quinta maior em todos os tempos. 

E a bola de cristal dos índices futuros prevê que isso vai acontecer de fato. Neste último dia de semestre, os do S&P 500 abrem em tétrica baixa, ao norte de 1%. 

No Ibovespa, a queda no semestre é bem mais branda: 5%. O ritmo aqui foi um pouco diferente. O índice saltou de 104 mil pontos, no encerramento de 2021, para 121 mil em abril, nadando contra a corrente da bolsa americana. Desde esse pico, porém, a queda foi de… 18%. Os deuses do mercado são ardilosos.

Opa. Então melhor sair dessa coisa coisa de véio (ações) e partir para cripto, certo? Afinal, essas já caíram tudo o que tinham para cair e agora vai ser só festa. Hum… Parece que não. O Bitcoin cedeu outros 5% nas últimas 24 horas, e caiu a US$ 19 mil. A perda do patamar de US$ 20 mil é especialmente perigosa, já que muita gente comprou com a cripto a esse valor. Com as cotações ao sul dos 20k, então, muita gente tende a vender para escapar do prejuízo, e isso retroalimenta a queda.   

Por aqui, o momento também não é dos mais animadores. Ainda mais agora que o teto de gastos está para ser jogado no lixo, com a eventual aprovação do aumento do Auxílio Brasil para R$ 600 e do voucher de R$ 1 mil para caminhoneiros, entre outras benesses eleitoreiras. 

Além de queimar a credibilidade do país, que dá mais uma prova de não ser confiável no quesito responsabilidade com as contas públicas, o gasto extra-teto, de R$ 38,7 bilhões, ainda tem o potencial de acelerar a inflação. Teria sido menos imprudente focar os gastos públicos no subsídio ao diesel, em vez de “aproveitar a oportunidade” para tirar da cartola um suborno eleitoral, na forma de aumento do Auxílio. Mas é isso: nada de novo para quem está acostumado com o Brasil.    

Boa quinta – na medida do possível.

Compartilhe essa matéria via:

Humorômetro - dia com tendência de baixa

Futuros S&P 500: -1,42%

Futuros Nasdaq: -1,73%

Futuros Dow: -1,15%

*às 7h42

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): -2,59%

Bolsa de Londres (FTSE 100): -1,95%

Bolsa de Frankfurt (Dax): -2,69%

Bolsa de Paris (CAC): -2,73%

Continua após a publicidade

*às 8h02

Fechamento na Ásia

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): 1,44%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): -1,54%

Hong Kong (Hang Seng): -1,62%

Commodities

Brent: -0,54%, a US$ 115,63

*às 8h06

Agenda

9h30: Pedidos de seguro-desemprego nos EUA na última semana. 

16h: PEC dos Combustíveis entra em votação no Senado.

market facts

Balanço da Oi, finalmente

A Oi divulgou resultados do primeiro trimestre de 2022. A empresa reportou lucro de R$ 1,78 bilhão, revertendo o prejuízo de R$ 3,04 bilhões no mesmo período do ano passado. O documento, que inicialmente seria publicado no dia 12 de maio, foi divulgado na noite da última terça-feira, após o fechamento do mercado. O resultado refletiu sem grande estardalhaço nas ações OIBR3 no pregão de ontem: alta de 1,85%, a R$ 0,55. 

O fim do do motor a combustão

A União Europeia fechou um acordo para zerar a emissão de carbono de carros novos até 2035. Depois dessa data, novos modelos com motor a combustão não poderão mais ser vendidos nos 27 países membros. A pedido da Alemanha, maior mercado automobilístico do bloco, o acordo abre uma brecha para a futura permissão de combustíveis sintéticos neutros em carbono. Ainda assim, a medida torna provável que a maioria das fabricantes do setor automobilístico precise mudar para produção de modelos elétricos em pouco mais de uma década.

Vale a pena ler:

Inverno cripto

O desmoronamento do mercado de criptoativos não deixou nenhum investidor de cripto escapar totalmente ileso. Mas o tombo foi maior para quem já estava mais embaixo. Funcionários demitidos de empresas do setor e investidores comuns que tinham boa parte de seu patrimônio em cripto saíram como os maiores perdedores. Enquanto isso, os executivos de alto escalão de empresas como Coinbase, Crypto.com e Gemini mantêm patrimônios gigantescos. Esta reportagem do The New York Times mostra como anda a vida (e o patrimônio) dos bilionários do mundo cripto.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês