Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Vocação ou necessidade: o lado B do empreendedorismo

O número de microempreendedores individuais cresceu 18% até outubro deste ano, em meio a 16,4% de desemprego.

Por Juliana Américo e Monique Lima Atualizado em 27 nov 2020, 10h31 - Publicado em 26 nov 2020, 16h00

2020 foi pródigo na criação de pequenas empresas. A estimativa do Sebrae e do Global Entrepreneurship Monitor é de que o Brasil deve atingir o maior patamar de pessoas começando um negócio, com impressionantes 25% da população envolvida na abertura de novas empresas. Mas não se trata de algo para comemorar, porque esses números escondem um problema: o desemprego, que é recorde e supera 14,4%.

São 13,8 milhões de brasileiros que não conseguem trabalho. Entre aqueles com 18 a 24 anos, pior ainda: 16,4% de desemprego. E são justamente eles os que mais abriram empresas durante o auge da Covid-19. Além disso, um estudo do Conselho Nacional da Juventude identificou que quatro em cada dez jovens tiveram redução ou perda da renda durante a pandemia.

País tem 11 milhões de MEIs

O número de microempreendedores individuais cresceu 18% até outubro.

Laís Zanocco/Você S/A
Continua após a publicidade

Publicidade