Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Como lidar com feedbacks negativos

Veja cinco estratégias para você transformar qualquer crítica – até mesmo as infundadas – em combustível para voar mais alto.

Por Marcia Kedouk Atualizado em 14 abr 2021, 11h42 - Publicado em 11 fev 2021, 11h00

Quando alguém ouve uma informação que bate de frente com sua ideia de imagem pessoal, a tendência é agir para mudar a opinião alheia, e não a si mesmo. Uma pesquisa feita na Universidade do Kansas, nos Estados Unidos, indicou que até os melhores funcionários, que supostamente deveriam ter facilidade para entender a crítica como meio para melhorar a performance, costumam se sentir desmotivados com feedbacks negativos.

Acontece que apontamentos construtivos, mesmo que não soem como positivos, são importantes para produzir mudanças e dar espaço para o crescimento. Então, como lidar? Melhorando a forma de reagir a essas situações. Não é fácil, tampouco intuitivo, mas com algumas dicas é possível prestar mais atenção à postura e ressignificar esses feedbacks.

1. Ter (auto)confiança

O caminho mais fácil para desativar o estado de negação durante uma conversa de feedback é acreditar nas boas intenções de quem faz a crítica. “Dessa forma, é possível se abrir à possibilidade de que o outro esteja enxergando algo que você não percebeu ainda”, afirma Eliana Dutra, CEO da Pro-Fit, empresa de treinamento e desenvolvimento. Mas as relações profissionais nem sempre são baseadas em confiança. É comum, por exemplo, funcionários acreditarem que o autor dos comentários, geralmente o chefe, o cliente, o fornecedor, está sendo tendencioso. A saída, nesses casos, é entender que não se trata de um ataque pessoal, portanto, não requer uma defesa, e que todos temos pontos fracos.

2. Pedir exemplos

É verdade que muitos feedbacks pecam pelo excesso de subjetividade. Mas, em vez de culpar o outro pela falta de habilidade em conduzir a conversa, assuma o papel de trazer a crítica para o lado prático. “Se você não reconhece a característica que estão apontando no seu comportamento, é porque precisa de fatos para poder investigá-la e se conhecer melhor”, diz Eliana. Detalhe: pedir exemplos é um gesto de humildade, de disposição para reconhecer falhas, e não uma oportunidade de enfrentamento. O objetivo é olhar para dentro, sem tentar provar ao outro que ele está errado.

Continua após a publicidade

3. Negociar

Não é raro que os feedbacks negativos apareçam quando as metas são agressivas demais, e por isso você não entrega o esperado ou então quando há excesso de trabalho, que prejudica a performance. Por isso, é importante se posicionar sobre as questões que dificultam ou impedem você de atender as expectativas. Se o cliente reclama do serviço, o líder diz que seu desempenho está abaixo da média ou o colega afirma que não concorda com uma atitude sua, pergunte qual a sugestão dele para melhorar a situação. Tornar o outro parte da solução faz com que ele saia do papel de crítico e vire um aliado.

4. Avaliar

Nem sempre dá para ter total compreensão dos fatos no momento em que acontecem. É preciso tempo para digerir, ponderar, reavaliar. Portanto, lembre-se de que você não precisa – e talvez não deva – reagir de imediato a uma crítica. Pense sobre a conversa, medite a respeito do que levou o outro a ter determinada percepção. Se concluir que não faz sentido, recorra a outras fontes confiáveis em busca de mais informações. No final desse processo, assimile o que for favorável ao seu crescimento e descarte o que considerar nocivo.

Agora, se você tiver um cargo de gestão, atenção neste ponto: “Quanto mais alto na hierarquia, mais cego o profissional fica para seus próprios defeitos, porque suas estratégias de sucesso deram certo, mas não o fizeram um ser perfeito”, diz Eliana. “Pior: nessa caminhada rumo ao topo, começam a surgir bajuladores que dizem sempre que você está certo. E você acredita. E aí está morto.”

5. Agir

Mesmo que o feedback negativo não faça sentido, dá para fazer algo a respeito. Por exemplo, trabalhar para desfazer a imagem ruim que criou com um colega, chefe, cliente ou fornecedor. E, se o comentário for relevante, é seu papel buscar formas – que podem incluir ajuda profissional, como um mentor ou psicólogo, por exemplo – de fazer a crítica mover você pra frente.

Continua após a publicidade
Publicidade