Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Como evitar alguns dos erros mais cometidos nas redações em inglês

Segundo levantamento da Cambridge Assessment English, ausência de pronome e conjugação estão entre as maiores dificuldades dos brasileiros.

Por Alberto Costa, Senior Assessment Manager da Cambridge English Atualizado em 19 fev 2021, 16h38 - Publicado em 19 fev 2021, 17h00

O inglês é atualmente o idioma mais utilizado para conectar pessoas de diferentes nacionalidades com os mais diversos propósitos, dentre eles, estudo, trabalho e lazer. E claro, para que o resultado seja bom, é necessário se comunicar com eficiência. E como já dito aqui, aprender um novo idioma leva tempo e nada melhor que aprender com nossos erros!

Um levantamento conduzido por Cambridge Assessment English, departamento sem fins lucrativos da Universidade de Cambridge especializado em certificações e avaliação da língua inglesa, mostrou que há cinco aspectos particularmente difíceis para os brasileiros na escrita. Nós já falamos a respeito dos três primeiros aqui, e hoje falaremos dos outros dois pontos restantes: ausência de pronome e conjugação.

Conjugação

Em relação à conjugação verbal, a forma infinitiva é a campeã dos equívocos: a não utilização da preposição to antes de determinados verbos é algo bastante recorrente. Abaixo uma lista dos verbos e frases mais comuns, em ordem de frequência, que os estudantes submeteram à avaliação e receberam retorno para correção:

need do something (precisar fazer algo)

want do something (querer fazer algo)

like do something (gostaria de fazer algo)

try do something (tentar fazer algo)

it is necessary/important/difficult do something (necessário/importante/difícil fazer algo)

going do something (vai fazer algo)

decide (decidir)

Continua após a publicidade

know how (saber como)

teach somebody how (ensinar algo para alguém)

intend (pretender)

hope (expectativa)

learn how (aprender como)

Se para as outras categorias há caminhos que podem facilitar, nesse caso a melhor amiga dos estudantes é, de fato, a gramática. Consultar as regras e entendê-las em profundidade é fundamental para o emprego correto. Isso porque, além dos verbos modais não exigirem preposição, outros possuem mais de uma regência, como é o caso de `try’ (tentar), que é conjugado de uma maneira quando se pretende falar sobre tentar fazer algo (I always try to remember my passwords, em português, eu sempre tempo me lembrar das minhas senhas) e de outra quando a ideia é indicar uma sugestão ou recomendação (Try using this app. It’s much better!, em português, tente usando esse app. É muito melhor!).

Pronome

A ausência do pronome it também é algo comum quando o autor do texto quer se referir ao sujeito ou objeto da sentença.

Eis alguns exemplos: I`ll study Spanish too next year, but (it) is necessary to finish my English course (eu estudarei espanhol também no ano que vem, mas é necessário terminar meu curso de inglês); Yesterday I visited an art gallery. (It) was wonderful and I appreciated (it) a lot (ontem eu visitei uma galeria de arte. Foi maravilhoso e eu gostei muito); Thank you for the gift, I loved (it) (Obrigado pelo presente, amei isso).

Uma dica possível nesse sentido é não ter medo de empregar o pronome. No inglês ele é usado para iniciar frases, para fazer referência a algo dito anteriormente na frase e também para substituir o sujeito nas frases em que ele é indeterminado.

A conclusão dos principais erros foi obtida a partir da análise de uma amostra de 4 mil redações dentre as mais de 20 mil submetidas por brasileiros para análise do Write&Improve, uma plataforma online e gratuita que corrige redações em inglês em segundos de acordo com os parâmetros internacionais que regem o aprendizado de idiomas.

Continua após a publicidade
Publicidade