Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Um novo curso superior de engenharia está sendo criado pela USP

Nova habilitação que está sendo estruturada pela Poli-USP é inédita no Brasil e chega para formar o engenheiro do futuro

Por Camila Pati Atualizado em 19 dez 2019, 16h13 - Publicado em 16 abr 2018, 15h00

São Paulo – Inédito no Brasil, o curso de Engenharia da Complexidade é a proposta da Escola Politécnica (Poli) da USP para formar o engenheiro do futuro: um profissional capaz de propor soluções em ambientes de alta complexidade. Alguns dos detalhes foram apresentados em colóquio na Poli, no começo do mês.

Com metodologia de ensino/aprendizagem por projetos, o curso irá de encontro à prática corrente da ciência e da engenharia de enxergar sistemas e suas partes separadamente. A ideia é que ele seja oferecido a turmas anuais no campus da cidade de Santos (SP), com duração de cinco anos, mas não há previsão de início.

Um dos exemplos dados para explicar a ação do engenheiro de complexidade foi a construção de um túnel ou de um viaduto em que fosse levado em conta o impacto da obra de maneira ampla: tanto na economia, quanto no ambiente urbano e na população em si.

A palavra chave da engenharia de complexidade é integração de conhecimentos de outras áreas da engenharia e também da ciência para oferecer soluções de deem conta dos mais diversos aspectos de um problema.

Habilitação vem para somar conhecimentos

Sua proposta não é substituir outras habilitações de engenharia e, sim, somar, segundo o professor Laerte Idal Sznelwar, do departamento de Engenharia de Produção da Poli, coordenador do grupo de trabalho que está estruturando a nova habilitação

Novidade no Brasil, a engenharia da complexidade já é tema de pesquisa em universidades estrangeiras como a de Calgary (Canadá), Imperial College e Oxford (Reino Unido), Sidney (Austrália), Stanford e o MIT (Estados Unidos).

Mas é no Japão que o tema, segundo disse o professor de engenharia naval, Bernardo Luis Rodrigues de Andrade, durante o colóquio, que o tema ganha mais destaque já que na Universidade de Tóquio há um departamento de Ciência e Engenharia da Complexidade. Na opinião do professor, o Brasil está atrasado no assunto.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)