Quem fala portunhol costuma cair facilmente nestas armadilhas

Quem está aprendendo espanhol certamente já se deparou com os temidos falsos cognatos. Confira alguns exemplos mais usados pelos falantes de portunhol

Já passou alguma vez aquela vergonha ao usar uma palavra que você achava que tinha um significado, mas na realidade tinha outro muito diferente?

Isso quer dizer que você já passou pelo mundo dos temidos falsos cognatos também conhecidos como falsos amigos. Estas são palavras que podem ter uma grafia igual ou similar tanto em português como espanhol, porém o significado é completamente diferente em cada uma das línguas.

Isto acontece porque ambos idiomas vêm do latim, mas no amplo caminho que percorreram as palavras até hoje, somado a fenômenos semânticos e de interferência linguístico-cultural, acabaram adquirindo sentidos opostos.

A principal consequência é sofrida pelos aprendizes de espanhol (e também português) como língua estrangeira, que precisam lidar com esse tipo de vocabulário em contextos que não estão acostumados o qual pode ser um processo confuso, especialmente nos primeiros estágios do aprendizado.

Não cair na armadilha dos falsos amigos depende da prática. Na sua jornada de aprendizagem, sempre vai encontrar palavras que podem resultar estranhas quando usadas em cenários completamente diferentes dos que você conhece, mas disso se trata! De aprender e por que não, de se divertir um pouco…

Hoje vamos compartilhar o trecho de um texto de um escritor e jornalista colombiano para descobrirmos juntos alguns falsos cognatos que com certeza vão tornar-se os nossos melhores amigos quando aprendermos a usá-los corretamente:

Não falo portugués (Por Daniel Samper)*

(…) Yo creía que el portugués era el idioma más fácil del mundo, pero la primera lección que saqué es que resulta peligrosísimo justamente porque uno cree que se trata tan sólo de español deshuesado. Escritório no quiere decir escritorio, sino oficina; en cambio, oficina quiere decir taller y talher significa cubiertos de mesa (…) Escritorio se dice escrivaninha, observó Norma. ¿Escriba niña? comenté desconcertado (…)  Le pedí que decretáramos un rato de descanso. Un rato en portugués es un ratón, respondió inflexible.

(…) Le rogué a Norma que me regalara un café, a fin de empezar con la cabeza despejada. Me trajo café brasileño, a pesar de lo cual quise ser amable y dije que lo encontraba exquisito.

-No veo por qué te desagrada me contestó ella.

-Al contrario: lo encuentro exquisito insistí yo, sin saber que ya había cometido el primer error del día. Esquisito quiere decir, en portugués, desagradable, extraño…

(…) Con este nuevo desliz se me subió la temperatura. Quise tomar un vaso de agua (vaso es florero corrigió ella: copo es vaso.”

*Encuentra el texto completo en https://issuu.com/amartinezh/docs/1-apostila_nova_n__vel_1-aluno

Ahora, vamos a detenernos para pensar en las palabras destacadas en negrita. ¿Te parecen conocidas? Claro que sí, pues también existen en portugués. Pero como te diste cuenta, significan algo completamente diferente en español. A continuación, con base en la lectura, relaciona cada una de las palabras con su significado:

 

1.    Escritorio

a.    Objeto donde bebemos agua

2. Oficina

b.    Algo muy delicioso

3. Taller

c.    Una mesa para trabajar o estudiar

4. Rato

d.    Donde llevamos los carros a reparar

5. Exquisito

e.    Lugar donde trabajamos

6. Vaso

f.     Un corto o breve momento

 

 

Ahora para reforzar el aprendizaje de estas palabras, vamos a usarlas en frases, siguiendo el mismo orden de la tabla anterior.

  1. Compré un _______________________ para poder trabajar en mi casa.
  2. Desde que comenzó la pandemia, no he ido a la _________________
  3. Mi carro no está funcionando bien, creo que necesito llevarlo al _____________
  4. Estoy esperando a Ana hace un ________________ pero aún no llega.
  5. ¡Felicitaciones! Este pescado estaba _______________, de verdad, muy delicioso.
  6. Tengo sed, me gustaría un _____________ con agua.

 

Respuestas

1.c/2.e/3.d/4.f/5.b/6.a

Diana Camacho é colombiana – orgulhosamente – e graduada em Comunicação Social e Jornalismo com ênfase em Opinião Pública. Atualmente está cursando um MBA em Gestão de Projetos na Universidade de São Paulo (USP) e trabalha com Media training e como professora de espanhol em empresas como a Companhia de Idiomas .Também desenvolve conteúdos escritos e audiovisuais para diferentes metodologias
de ensino da língua espanhola. quer falar com ela? dianac.caneva@gmail.com

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: