Estas são as profissões mais relevantes e as carreiras do futuro em TI

Exclusivo: pesquisa mapeia cargos mais relevantes na área de TI e indica as profissões com melhor perspectiva para as próximas décadas

São Paulo – Os profissionais mais relevantes na área de TI atualmente são os CTOs (Chief technology officer) e CIOs (Chief Information officer). É o que indica um levantamento feito na América Latina pela Panorama Search, associação global que reúne empresas de recrutamento executivo, obtido com exclusividade pela Você S/A.

A pesquisa teve a participação de 600 executivos do alto escalão do México, Brasil, Argentina e Colômbia, sendo 17% CEOs e 51% diretores, e a maioria de multinacionais de setores como consumo, farmacêutico, serviços, financeiro, indústria e tecnologia. No Brasil, a consulta ficou a cargo da consultoria EXEC.

Os CTOs e CIOs foram citados por 49% de todos os executivos. No Brasil, esse índice foi ainda mais alto: 59%. Na Argentina e na Colômbia também são bastante promissores com 50% e 48% dos executivos indicando essas duas posições como as mais importantes na área de desenvolvimento tecnológico dentro da empresa.

O México é o único país em que os profissionais de marketing digital (52% das respostas) e estratégia digital (42% das respostas) são considerados mais importantes do que do que os CTOs e CIOs, citados por 39% dos executivos locais.

No Brasil, CTOs e CIOs são seguidos em relevância por profissionais de marketing digital (44%), cientistas de dados (27%) e transformação digital (23%) completando um quarteto de profissionais que mais aparecem nos quadros tecnológicos das empresas.

Na lista geral, os profissionais de estratégia digital aparecem antes do que os de transformação digital:  CTO/CIO, 49%, marketing digital, 46% estratégia digital 30%, transformação digital, 26%, gerente de cibersegurança, 22%, cientista de dados, 19%, comércio eletrônico, 16%, chief data oficcer, 15%, gerente de inovação digital: 15%, scrum master: 11%, gerente de mudança digital, 5%.

O que faz um CIO e o que faz um CTO? 

A relevância está diretamente ligada à responsabilidade assumida por eles. O CIO (chief information officer) é o número um da área de TI das empresas. Sob sua responsabilidade estão infraestrutura, sistemas, em alguns casos também responde pela segurança de dados. “É a figura tradicional do diretor ou head de TI. Tem a incumbência de manter a luz acesa, os sistemas operando e atender às demandas das áreas de negócio da empresa”, diz Marcus Giorgi, sócio da EXEC.

Já o CTO (chief technology officer), segundo Giorgi, é uma variação mais moderna do CIO. Sua função é mais proativa, é responsável por oferecer inovações tecnológicas para as áreas, trazer novas ferramentas. “É uma pessoa com perfil mais provocador. O CIO tem uma função mais reativa de atender demandas enquanto o CTO traz as novidades”, diz Giorgi. Na comparação da remuneração, o CIO costuma ganhar 10% mais, segundo dados salariais fornecidos pela EXEC.

Em algumas companhias, o CTO responde para o CIO. Mas, em empresas menores e mais jovens, ele substitui o CIO, principalmente naquelas que contratam serviços de armazenamento de dados na nuvem, terceirizam manutenção e fornecimento de equipamentos de TI. “Com a tecnologia sendo consumida sob demanda pelas empresas, a tendência para o futuro é que o CTO substitua o CIO”, diz Giorgi.

Veja também

Qual a profissão do futuro na área de tecnologia? 

Nas projeções para o futuro, as carreiras ligadas à estratégia, transformação e inovação surgem como as mais importantes para as empresas crescerem e ampliarem seus negócios nos próximos anos. 

O profissional de estratégia digital lidera com 38% das respostas, seguido pelo profissional de transformação digital (32%), gerente de inovação digital (32%), chief data officer (29%), marketing digital (24%), cientista de dados (23%), gerente de cibersegurança (22%), comércio eletrônico, gerente de mudança digital (18%), CTO/CIO (14%) e scrum master, 9%.

A presença digital é crucial para sobrevivência de empresas. Investimento em plataformas, interfaces de relacionamento, machine learning e possíveis substituições de mão de obra por inteligência artificial são ações necessárias em companhias ávidas por mais eficiência, redução de custo. “Profissionais que entendam da cadeia de valor e consigam trazer mais inovações para ambiente digital são valorizados”, diz Giorgi.

Segundo o sócio da EXEC, são recrutados profissionais com bagagem analítica e a capacidade de tirar insights. “Formações acadêmicas em engenharia voltam a ser mais relevantes, assim como em matemática, estatística, ciências da computação e até física. Esses profissionais serão os cientistas de dados”, diz. Cursos da área digital são indicados para dar mais robustez ao currículo.

Para cargos de liderança, as competências de gestão são mandatórias e combinações entre formações em administração, marketing e cursos de exatas são as mais frequentes.

O tamanho e a força da operação brasileira de muitas subsidiárias de multinacionais fazem com que os profissionais de estratégia e de inovação tenham um espaço de atuação mais amplo. “Não ficam só replicando o que é implementado na matriz, há autonomia para desenvolver novas tecnologias”, diz Giorgi.

O sócio da Exec também destaca a crescente importância de profissionais de segurança de dados e pessoas focadas em melhorar a experiência de cliente e usuário nas interfaces digitais (CX e UX).   Cursos na área de marketing e design são mais comuns entre os profissionais UX e CX.

Privacidade de dados, informações e segredos industriais, além da prevenção de ataques cibernéticos aumenta a demanda por especialistas em segurança. Muitas vezes, as empresas possuem o suporte de um CSO (chief security officer) em seus quadros, para lidar ameaças de invasão por parte de hackers.

Os salários dos profissionais de tecnologia

A pedido de Você S/A, a Exec divulgou a variação salarial para os cargos na área de tecnologia:

CTO/CIO: de 30 mil a 60 mil reais.

Profissional de marketing digital: de 15 mil a 25 mil reais.

Profissional de estratégia digital:  de 15 mil a 20 mil (cargos gerenciais).

Profissional de transformação digital: de 15 mil a 30 mil reais (cargos gerenciais).

Gerente de cibersegurança: de 20 mil a 40 mil reais.

Cientista de dados:  de 20 mil a 40 mil reais.

Profissionais de comércio eletrônico: de 8 mil a 15 mil reais. Para cargos gerenciais, pode variar de 15 mil reais a 32 mil reais.

CDO (chief Data office): de 30 mil a 50 mil reais

Gerente de inovação digital: de 15 mil a 25 mil reais

Scrum master: de 10 mil reais a 20 mil reais

Gerente de mudança digital numa visão de RH com foco na transformação cultural/digital: de 15 mil reais a 30 mil reais.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.