Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Por que dívida de empresa se chama debênture?

Vou dar a dica: a explicação vem de uma língua que é considerada morta, mas na verdade continua mais viva do que parece.

Por Monique Lima, Alexandre Versignassi Atualizado em 14 jan 2021, 15h06 - Publicado em 8 jan 2021, 06h00

Começa lá no latim. A origem profunda está na palavra debere, que é de onde veio o verbo “dever” – o “b” e o “v” são intercambiáveis na evolução das línguas ocidentais. Como debere é “dever”, debentur é “devedor”. Mas não para por aí.

O ponto é que o latim não morreu com o Império Romano. Ele continuou sendo a língua dos documentos oficiais na Europa medieval, já que essa era a língua franca do continente – um posto que depois seria ocupado pelo francês (de onde vem o termo “língua franca”) e hoje pertence ao inglês.

Lá pelo século 15, quando a Inglaterra nem sonhava que a língua local um dia se tornaria universal, os certificados de dívidas se chamavam debentur mihi – “devedor para mim” (sim, línguas antigas muitas vezes soam como fala de bebê – bem diretas ao ponto para quem ouve daqui do futuro).

Com o tempo, enfim, o debentur mihi acabou sintetizado como debenture. No século 18, a palavra tomaria o mundo de carona com o Império Britânico. E segue firme, numa amostra de que o velho latim, de 3 mil anos, continua mais vivo do que parece.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade