Por que ter um olhar crítico

Para a professora e pesquisadora da Universidade de Rotterdam, na Holanda, Giedre Vasiliauskate, questionar a forma como você pensa é o primeiro passo para melhorar suas escolhas

>>Esta matéria foi publicada originalmente na edição 206 da revista Você S/A, em Agosto de 2015 e pode conter informações desatualizadas


Melhorar a tomada de decisão é um exercício que exige esforço. De nada adianta adotar práticas simplistas sem fazer um questionamento profundo da forma como você costuma agir e pensar. Essa é a visão de Giedre Vasiliauskate, professora e pesquisadora da Universidade de Rotterdam, na Holanda, onde dá aulas sobre pensamento crítico. A teoria do pensamento crítico nada mais é do que um estudo sobre o julgamento humano, ou seja, a maneira como fazemos escolhas e decidimos o que é bom e ruim. A aplicação prática do conceito ajuda a ter mais assertividade e a enxergar que uma rota tem vários caminhos possíveis. “Só dá para desenvolver um pensamento à prova de falácias quando se tem uma postura crítica”, diz Giedre em entrevista para a VOCÊ S/A. 

Grande parte do processo de tomada de decisão é inconsciente, mas sua teoria diz que podemos controlar o cérebro. Como?

Claro que há muita coisa intuitiva, pois o cérebro precisa dar respostas automáticas em determinadas situações. E essa é uma abordagem válida em muitos momentos, como em acontecimentos simples da nossa rotina. O problema é agir desse jeito mesmo quando há uma decisão importante a ser tomada. Em vez de ter um pensamento mais crítico, muitos vão pelo caminho mais fácil, e aí a probabilidade de cair em armadilhas é grande. 

Quais as vantagens de desenvolver um pensamento crítico?

Em primeiro lugar, suas decisões serão mais equilibradas, objetivas e transparentes. Afinal, cada fator foi devidamente analisado e ponderado, o que diminui as chances de julgamento apressados. Em segundo lugar, suas habilidades de persuasão e de transmissão de uma mensagem para diferentes audiências serão aperfeiçoadas. E é algo que você pode treinar no seu dia a dia. A realidade apresenta vários desafios para aplicar o pensamento crítico, como a tentativa de persuadir um colega. Um bom exercício pode ser feito com a simples leitura do jornal. Encontre uma informação que parece inconsistente e investigue. Vá atrás de outras fontes de informação para descobrir onde está essa inconsistência. 

Como conciliar esse pensamento questionador com a exigência de rapidez e alta produtividade?

Isso é um problema. É preciso priorizar e entender quais tarefas merecem esse esforço mental.  Normalmente, são as decisões de longo prazo que pedem esse cuidado. Mas uma vez que você começa a desenvolver suas habilidades críticas e passa as aplicar sempre que pode, o processo se torna muito mais rápido e natural. No final, tomar decisões mais acertadas consome menos tempo.

Quais habilidades precisamos desenvolver para ter um pensamento crítico?

O primeiro passo é revisar seus processos de pensamento e questionar o seu ponto de vista e o dos outros. Além disso, é importante fazer perguntas sobre suas escolhas e perceber se as suas decisões foram acertadas ou não ao longo do tempo. 

Qual o maior desafio desse processo? 

No começo, as pessoas ficam um pouco confusas, ainda mais quem não está acostumado a se questionar.  O que digo aos meus alunos é para não terem medo disso: faz parte do processo. Outro desafio é lembrar sempre de manter a cabeça aberta, pois voltar aos velhos hábitos é fácil. Essa abordagem exige esforço, porque é necessário se manter aberto às diferentes partes do processo sem perder de vista uma visão mais ampla. É preciso cavar mais fundo.

Até que ponto é correto analisar profundamente os processos de pensamento? 

Você deve ser cético, mas não cético demais. Existe o risco de ficar preso na análise, questionando tudo sem tomar decisão alguma. Quando for longe demais, dê um passo para trás e faça o processo inverso. Tente ver o que há de positivo naquele problema ou decisão e quais são as coisas que estão dando certo. Ter pensamento crítico não significa ver apenas o que é negativo e desafiar tudo que existe, mas procurar esse equilíbrio e identificar os vários lados de cada situação. 

Qual o peso da inteligência emocional na tomada de decisão?

Quando digo que é preciso ter a atitude certa para desenvolver habilidades críticas, é também de inteligência emocional que estou falando. Essa habilidade ajuda, por exemplo, a identificar quais são os argumentos mais importantes para o seu interlocutor. Auxilia também a iluminar as suas próprias ineficiências e a entender do que você é feito. Sem desenvolver inteligência emocional não se desenvolve pensamento crítico.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: