Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Eduardo Musa, da Caloi, fala da importância das ciclovias para a indústria de bicicletas

Para o presidente da Caloi, o incentivo ao ciclismo nas capitais é uma oportunidade para acelerar e ultrapassar o mau momento da indústria brasileira

Por Por Vanessa Vieira Atualizado em 17 dez 2019, 15h26 - Publicado em 28 out 2015, 07h50

SÃO PAULO – Neste primeiro semestre, o faturamento da Caloi, divisão brasileira da canadense Dorel Sports, teve um crescimento superior a 30% em relação ao mesmo período do ano passado.

 Longe de festejar, o presidente da companhia, Eduardo Musa, de 48 anos, admite que o resultado se deve à comparação com uma fase em que as vendas foram prejudicadas pela Copa do Mundo. “Na época, os varejistas só queriam vender aparelhos de TV”, diz ele. 

Apesar da preocupação com os efeitos da crise econômica sobre a indústria brasileira neste segundo semestre, Eduardo acredita que, no médio e longo prazos, o investimento de algumas prefeituras na expansão de ciclovias e ciclo-faixas, o aumento do número de ciclistas nas grandes capitais e até as mudanças de comportamento do cidadão tendem a favorecer os fabricantes de bicicletas e, em particular, a Caloi. 

A indústria de bicicletas já sentiu o efeito da expansão das ciclovias?

Hoje, a principal barreira para que as pessoas deixem o carro em casa e recorram à bicicleta é a segurança. Os acidentes de carro, embora mais frequentes, já estão tão incorporados ao nosso dia-a-dia que não são mais notícia, mas os de bicicleta sim. A ciclovia resolve essa questão ao mitigar o risco de acidentes. E se ela passar próximo da sua casa e do seu trabalho, o incentivo para pedalar é maior ainda. Quando a primeira ciclofaixa foi inaugurada em São Paulo, em 2009, 8 000 ciclistas passaram por ela. Hoje, são cerca de 200 000 pessoas nos quase 200 quilômetros de ciclofaixas da cidade. O problema é que, paralelamente a esse fenômeno, veio a crise econômica brasileira, que anulou qualquer efeito benéfico microssetorial.

No médio prazo, o quadro é melhor?

Continua após a publicidade

Alguns fatores podem beneficiar o nosso segmento, porque a crise ajuda a mudar certos comportamentos. O combustível caro, por exemplo, incentiva a busca por alternativas mais baratas de mobilidade. Até a inflação pode ter um efeito favorável. Atualmente, se um casal sai para jantar em São Paulo, gasta o equivalente ao preço de uma bicicleta, uma forma de lazer muito barata. Acho que a Caloi, em particular, deve se beneficiar desse quadro, já que, num momento de crise, as marcas fortes prevalecem, porque o consumidor não pode correr o risco de errar na compra e perder dinheiro. 

Como é sua rotina de trabalho? 

Acordo às 6h. Como tenho três filhas, de 6, 8 e 12 anos, neste horário a minha casa já é um pandemônio. Nos dias em que não levo às meninas à escola, faço musculação antes de vir para o escritório. Trabalho umas 10 horas diárias e, à noite, aproveito a tranquilidade, depois que as crianças vão dormir, para responder e-mails. Gasto de uma a duas horas com isso. Também viajo muito a trabalho. Para o exterior, faço ao menos uma viagem mensal. Mas procuro ter uma rotina saudável. Em São Paulo, vou pedalando para almoços e reuniões. E evito levar trabalho para casa no fim de semana. 

Qual o perfil de um profissional com vocação para comandar uma empresa?

Aprendi que uma pessoa pode até ser competente técnica e politicamente. Mas quem vai subir na organização é quem é visto pelos pares como alguém capaz de criar bons times, inspirar e motivar. 

Como inspirar pessoas num ano tão difícil?

A frustração é enorme, quando a equipe está fazendo a coisa certa e os resultados não vêm por fatores externos. Todo dia é um cliente ligando cancelando um pedido porque não está vendendo. O ambiente fica pesado. A pressão é muito grande e você precisa tomar medidas impopulares – de economia, corte de investimentos e de negócios. Mas evito repassar esse pessimismo focando no que estamos fazendo de bom. Desci muito mais na operação para liderar diretamente alguns processos. Nessas horas, é preciso mostrar para a equipe que a empresa tem comando. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)