Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Segunda onda da Covid derruba as bolsas pelo mundo

Retomada do vírus na Europa gera apreensão em todos os mercados. Por aqui, só três das 77 ações do Ibovespa fecharam a sexta em alta. 

Por Alexandre Versignassi Atualizado em 9 out 2020, 16h30 - Publicado em 18 set 2020, 19h03

Milton Friedman dizia que era normal um preço ou outro subir de vez em quando. O problema mesmo era quando todos, de todos os setores, subiam em uníssono, já que isso indicava um problema estrutural na economia. 

Foi o que aconteceu hoje no Ibovespa, só que ao contrário. Basicamente todas as ações caíram, como que comandadas por um maestro mal humorado. A quarta maior “alta” do dia, por exemplo, foi uma baixa: -0,25%, da Tovs. O quinto melhor desempenho foi da Ultrapar, com uma queda robusta de quase 1%. Uau.

Foi tipo a festa do Bené, o cara “mais gente boa do morro”, em Cidade de Deus (2002). Todo mundo foi, de todos os setores. Marcaram presença a turma dos bancos: Itaú (-1,43%) Bradesco (-1,78), Santander (-3,87%); a galera do turismo: Gol (-4,78%), Azul (-2,46%), CVC (-2,92%); o bonde das commodities: Vale (-0,68%), Cosan (-2,06%), Petrobras (-2,26%). 

Pois é, Quando a inflação é generalizada, ensina Friedman, a culpa não é da safra, do dono do supermercado, da chuva. É de algo maior: do governo. Quando há uma queda geral na bolsa, idem. O problema não é a petróleo, o preço do minério de ferro em Qindao nem a chuva. É algo maior. Nesse caso, o coronavírus.

A segunda onda na Europa não é pouca coisa. Ontem mesmo a França registrou seu maior número de novos casos desde o início da pandemia: 10.593, depois de ter reduzido esse número para menos de mil há meses. Isso deixa claro o que a ciência sempre soube, e buscou avisar: o vírus vem em ondas. Agora está claro que altitudes como a da Nova Zelândia, que tinha se declarado livre do Sars-Cov-2 em julho e voltou a ter casos, são tão acéfalas quanto o negacionismo que se vê no Brasil ou na Bielorússia. Só dá para decretar vitória contra a Covid depois de uma imunização coletiva – quando algo em torno de 70% da população mundial ou já tiver pegado o vírus ou tiver tomado uma vacina eficaz. Nenhuma das duas realidades é faz parte do horizonte vislumbrável neste momento. 

E o mercado começa a acordar para essa realidade. A queda do Ibovespa na sexta (18) foi de -1,81%. 

Em meio ao tombo generalizado, também houve empresas que sofreram com notícias específicas, claro. Foi o caso da Cielo, que levou a medalha de latão de maior queda do dia (-6,58%) depois de ter sua recomendação reduzida pelo JP Morgan de “manutenção” para “venda”. É que a participação da Cielo no mercado de maquininhas vem caindo (era de 48% em 2016, e caiu para 34% em 2020). Além disso, ainda tem o fantasma do PIX: o novo sistema, que estreia em novembro, vai tornar as maquininhas dispensáveis para operações de débito – bastará ao vendedor ter um celular para receber pagamentos por essa modalidade. Essa “disrupção” (perdão pelo termo gasto) afeta todas as empresas da área. A Pag Seguro, que negocia suas ações em Nova York, caiu 16% do final de agosto para cá.           

Em NY, por sinal, a queda dos índices veio basicamente no mesmo patamar do Ibovespa e dos mercados europeus (que também tinham fechado no vermelho mais cedo). O S&P 500 encerrou a -1,12%; o Nasdaq Composite, a -1,07%. O S&P 500, vale lembrar, marcou seu último recorde histórico outro dia praticamente: 3.580 pontos em 2 de setembro. De lá para cá já caiu 7% (um assombro), e está agora em 3.319 – menos que os recordes pré-pandemia. O pior é que faz sentido. A subida em uníssono que os bolsas do mundo todo viveram desde abril talvez tenha indicando um problema estrutural do mercado: excesso de otimismo.  

Bom fim de semana.  

Melhores desempenhos

Suzano: 2,10%  

Raia Drogasil: 1.29%  

Continua após a publicidade

Magalu: 0,07%

Totvs: -0,25%

Ultrapar: -0,78% 

Piores desempenhos

Cielo: -6,58% 

BTG Pactual: -4,97

Renner: -4,97  

IRB Brasil: -4,91%  

Gol: -4,78% 

Petróleo

Brent: -0,35%, a US$ 43,15 o barril

WTI: +0,24%, a R$ 41,32 o barril

Dólar: +2,77%, a R$ 5,37 

Continua após a publicidade
Publicidade