Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Por que o open banking não pegou na mesma velocidade do Pix

Victoria Amato, diretora de negócios (CBO) da Quanto, explica as diferenças

Por Tássia Kastner Atualizado em 11 jan 2022, 14h05 - Publicado em 13 jan 2022, 08h08

O open banking estreou com a promessa de ser tão revolucionário quanto o Pix. Só que o ritmo tem sido mais lento. Brasileiros têm receio de compartilhar seus dados com bancos, e ainda veem poucos benefícios, como juros menores, maior limite de crédito ou menos tarifas.

Nesta entrevista, Victoria Amato explica que os bancos ainda estão aprendendo a lidar com a enxurrada de informações. Ela é CBO na Quanto, uma fintech que surgiu justamente para ajudar nesse processo. Antes de o open banking começar, a Quanto recebeu investimentos do Bradesco e do Itaú.

1. Por que o open banking não teve o mesmo sucesso do Pix?

A mudança causada pelo Pix foi rápida porque ele é um produto. O open banking é uma alteração de ecossistema, vai ser gradual. Agora estamos chegando na fase 4 [que prevê compartilhamento de dados de câmbio, investimentos, previdência e contas]. Só que os receptores desses dados ainda precisam descobrir como lidar com essa informação.

2. O que a Quanto faz?

Nossa estratégia foi adiantar um pouco da tecnologia do open banking. Clientes nossos [bancos e varejistas] conseguem acessar dados análogos aos que ainda vão ficar disponíveis pelo open banking. Isso faz com que eles consigam dar mais crédito e sejam mais assertivos [sofram menos inadimplência]. A Quanto também tenta construir fluxos mais simples para o compartilhamento, para descobrir em que momento o usuário fica mais confortável em compartilhar as informações.

3. O brasileiro não gosta de bancos. Por que compartilharia dados com eles?

O open banking precisa ser pensado sob o conceito de justiça. Ele não está vindo com a proposta de ajudar todo mundo a todo momento. O que ele faz é igualar o nível de informação.

Ele ajuda um cliente que é privado de juros mais baixos ou que não consegue crédito porque o escore de crédito é baixo. Pode ser que uma empresa interessada em dar mais crédito ache que não é tão arriscado assim. Nós fizemos pesquisas para entender o consumidor: 65% disseram que topariam compartilhar dados contanto que tivessem algo em troca. E quando o open banking começar a dar resultado, esse número tende a crescer.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)