Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Fintech oferece direitos autorais de música a investidores comuns

Ativos assim, pouco ortodoxos, têm um adversário pesado: a alta nas taxas de juros.

Por Tássia Kastner Atualizado em 12 Maio 2022, 04h32 - Publicado em 13 Maio 2022, 05h00

Além de dar play no Spotify, você pode ganhar dinheiro com hits da sofrência ou clássicos do axé. É assim que a Hurst Capital tem tentado emplacar no Brasil os investimentos em chamados ativos alternativos. 

A fintech compra direitos autorais de música e empacota na forma de um título, como se fosse um CDB de banco (mas sem qualquer tipo de garantia). O investidor ganha um cascalho pelos direitos autorais das composições – pagos por estabelecimentos comerciais, veículos de mídia e apps de música a cada execução. 

O rendimento mensal dessas operações vem sendo estimado em cerca de 18% ao ano, com prazo de quatro anos. Não há como resgatar o dinheiro antecipadamente, até porque isso depende da venda do catálogo ao fim da operação.

E aí mora o risco desse investimento. Além de contar com as reproduções, é preciso que essas músicas se valorizem ao longo do tempo. Só tem um detalhe: se o dono da composição decidiu vender o direito autoral, talvez isso signifique que nem ele acredite que sua música terá tantos ouvintes assim. 

Venda de direitos autorais é algo recorrente. Em 2020, Bob Dylan vendeu seu acervo à gravadora Universal por US$ 300 milhões. O de David Bowie foi para as mãos da Warner no começo deste ano por US$ 250 milhões.

Além dos portfólios de música, Hurst vende investimentos em precatórios, imóveis, criptomoedas e obras de arte. Uma das operações em andamento é para lucrar com a venda de um quadro de Tomie Ohtake. 

A Hurst surgiu em 2017, quando o mundo vivia uma realidade de juros baixíssimos e o Brasil começava a flertar com uma Selic de um dígito só. Naquele cenário, fazia mais sentido diversificar os investimentos em busca de mais rentabilidade. Com a Selic ao redor de 12%, fica menos atrativo. 

Compartilhe essa matéria via:

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VC S/A! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VC S/A, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VC S/A, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

App VC S/A para celular e tablet, atualizado mensalmente.


a partir de R$ 12,90/mês