Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Brasil tem 14,4 milhões de desempregados – maior número da série histórica

Dados do IBGE divulgados hoje mostram também pior taxa de desalento desde o começo da contagem, em 2012. Por outro lado, número de vagas formais cresceu em 2021.

Por Bruno Carbinatto 30 abr 2021, 17h09

A taxa de desocupação para o primeiro trimestre (de dezembro a fevereiro) de 2021 foi de 14,4%, anunciou hoje (30) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Isso significa que 14,4 milhões de pessoas estão desempregadas atualmente no Brasil – o maior número da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD contínua), que começou em 2012 (sim, o número de pessoas economicamente ativas, que trabalham ou tentam trabalhar, é de 100,3 milhões, o que faz a porcentagem coincidir com o número absoluto de desempregados – quem não está em busca de emprego não entra na estatística). 

Em termos percentuais, o dado só fica atrás do trimestre julho-agosto-setembro de 2020, quando o IBGE registrou uma taxa de desocupação de 14,6% – mas o número bruto de desempregados ainda era menor: 14,1 milhões.

O aumento do desemprego foi de 2,9% em relação ao trimestre anterior (de setembro a novembro de 2020). Ou seja: nesse intervalo, cerca de 400 mil pessoas procurando por emprego entraram na conta. Em um ano, o aumento foi de 16,9% – ou 2,1 milhões de novos desempregados.

Apesar de dramáticos, os números já eram esperados – as previsões apontavam para uma taxa de desocupação entre 14,1% e 14,8%, com a mediana em 14,5%. Não à toa: o início de 2021 foi marcado pela pior fase da pandemia de Covid-19 no país – só nos primeiros quatro meses de 2021 já houve mais mortes em decorrência da doença do que em 2020 inteiro. Nessa situação, e com uma vacinação lenta e escassez de doses, não haveria como uma economia resistir, mesmo com resistência por parte do governo federal e de alguns poderes locais de implementar medidas de isolamento social mais restritivas.

Só para termos de comparação: em tempos normais (lê-se: sem pandemia), o desemprego nunca tinha ultrapassado os 14% no Brasil. O máximo foi de 13,7% no primeiro trimestre de 2017, consequências da enorme crise que havia se instalado no país nos dois anos anteriores.

Outro recorde da série histórica atingido é o de população desalentada: são mais de seis milhões de brasileiros que se encaixam agora nessa definição. Uma pessoa desalentada é aquela que, por diversos motivos, desistiu de procurar por emprego, e não entra mais na conta da força de trabalho do país.

Por outro lado, dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) liberados nessa quarta-feira pelo Ministério da Economia mostram que a abertura de vagas de emprego formais, ou seja, com carteira assinada, voltaram aos níveis pré-pandemia pela primeira vez, após saldo positivo de abertura de vagas por três meses seguidos. No final de março deste ano, o Brasil tinha 40,2 milhões de vagas formais, contra 39,08 milhões em fevereiro de 2020.  

Esses números, porém, se referem às vagas celetistas – e excluem atualmente grande parte da fatia dos trabalhadores brasileiros. Segundo os dados do IBGE divulgados hoje, 39,6% da população ocupada, ou 34,0 milhões de trabalhadores, estão atualmente em trabalhos informais.

 

Continua após a publicidade
Publicidade