Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Brasileiros estão mais endividados; veja como reduzir esse peso

O percentual de endividamento já bateu recorde: é o maior índice registrado desde 2010.

Por Juliana Américo Atualizado em 24 set 2020, 18h52 - Publicado em 23 set 2020, 16h00

O coronavírus atingiu não apenas a saúde dos brasileiros, como também a conta bancária da população. O número de pessoas com dívidas em cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal e prestação de carro e de casa subiu em agosto. 

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a alta do mês passado foi leve – 0,1 ponto percentual, com relação a julho – mas foi suficiente para fazer o índice chegar a 67,5%. O percentual de endividamento é o maior da série histórica da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), que é realizada desde janeiro de 2010. 

A proporção das famílias que se declararam muito endividadas caiu para 14,6% e registrou a primeira queda desde janeiro deste ano. Mas, o endividamento continua forte entre as famílias de menor renda. Para as que recebem até 10 salários mínimos, o percentual alcançou novo recorde na série em agosto (69,5%). 

Já o total de famílias com dívidas ou contas em atraso aumentou para 26,7%, em agosto, atingindo a maior proporção desde março de 2010. 

  • Entre os endividados, 21,4% afirmaram ter mais da metade da renda mensal comprometida com o pagamento destas dívidas e isso faz com que a busca por crédito para a renegociação de dívidas aumente. Segundo o Indicador de Demanda do Consumidor por Crédito da Serasa Experian, houve uma alta de 0,7% na procura por crédito em agosto de 2020 frente ao mesmo mês do ano passado. Este foi o primeiro avanço em seis meses. 

    Com a renda comprometida e afundado em dívidas, qual é a melhor forma de sair do sufoco e recuperar o controle das finanças? O presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN), Reinaldo Domingos, listou o que fazer quando você está endividado: 

    1. Se você ainda não está inadimplente, ou seja, continua pagando as contas, precisa identificar as dívidas e seus valores e estabelecer uma estratégia para quitar tudo. Priorize as que têm os juros mais altos, que geralmente são as de cartão de crédito e cheque especial;
    2. Repense o seu padrão de vida. Durante 30 dias anote todos os rendimentos e gastos para saber para onde está indo o dinheiro. Dessa forma fica mais fácil de identificar o que pode ser cortado do orçamento e  definir a porcentagem exata do quanto terá que ser direcionar para pagar suas dívidas;
    3. Use a portabilidade como uma ferramenta para reduzir o endividamento e procure por linhas de créditos mais baixas. E, na hora de negociar, se for parcelar as dívidas, tenha certeza de que cabem em seu orçamento;
    4. Além de pagar as dívidas, procure guardar dinheiro para uma reserva estratégica. Mesmo endividado, inicie o projeto de vida de ser independente e sustentável financeiramente.

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ S/A? Clique aqui e assine VOCÊ S/A.

    Continua após a publicidade
    Publicidade