Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Guru Perguntas & Respostas

Qual foi o primeiro esquema de pirâmide?

Foi o golpe criado pelo italiano Charles Ponzi em 1919, em Boston – daí o nome "esquema Ponzi". Entenda como ele funcionava.

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 7 jun 2022, 15h31 - Publicado em 13 Maio 2022, 07h01

Foi o golpe criado pelo italiano Charles Ponzi em 1919. O caso rolou em Boston e ficou tão célebre que o termo “esquema Ponzi” é usado para descrever as pirâmides financeiras – armações nas quais os “lucros” vêm do dinheiro de outras pessoas que entram na jogada, e não de um negócio em si.

A fraude de Ponzi envolvia o serviço postal dos EUA. Na época, pessoas que viviam em outros países e mandavam cartas para os EUA podiam optar por comprar e enviar junto um cupom que poderia ser trocado em terras americanas pelos selos locais. Assim, os destinatários não precisavam pagar para responder a correspondência – a postagem já estava pré-paga por quem enviou a carta da gringa.

Compartilhe essa matéria via:

Acontece que, por causa da Primeira Guerra Mundial, a economia da Europa estava em frangalhos. Nisso, um desses “cupons-resposta” da Itália, por exemplo, custava apenas ¼ do preço dos selos americanos.

Ponzi, então, pensou no seguinte: comprar enormes quantidades de cupons-resposta na Europa, enviá-los para os EUA, trocá-los pelos selos locais e então vendê-los por dólares a um preço muito maior. 

No linguajar econômico, esse tipo de operação é chamado de “arbitragem” – quando você aproveita a diferença de preços de um mesmo produto em locais diferentes, comprando onde é mais barato e vendendo onde é mais caro.

Ponzi fundou sua empresa, a Securities Exchange Company, e começou a vender sua ideia de investimentos, prometendo 50% de lucro a cada três meses. Em pouquíssimo tempo, o esquema ficou extremamente popular e atraiu montes de investidores. 

No começo, os primeiros investidores até recebiam o lucro prometido – e muitos reinvestiam os ganhos no esquema. Mas o dinheiro não vinha dos lucros com os cupons, e sim das novas pessoas entrando na pirâmide. O golpista colocava a maior parte no bolso e distribuía o resto para os primeiros investidores, ajudando a manter a farsa. Nem se sabe se Ponzi realmente chegou a fazer a tal arbitragem com selos. E se fez não durou muito. Um jornal de Boston fez as contas e mostrou: para os lucros prometidos serem entregues para todos, seriam necessários 160 milhões de cupons-resposta. Havia só 27 mil em circulação pelo mundo. 

Em agosto 1920, com a reportagem publicada, o esquema ruiu. Ponzi seria preso, deportado para a Itália e terminaria aqui no Brasil – onde morreu, pobre, no Rio de Janeiro.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro e cobertura diária do fechamento do mercado.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de VC S/A. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 12,90/mês