Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Guru Perguntas & Respostas

Como as companhias aéreas ganham dinheiro com os programas de milhas?

O modelo é um jogo "ganha-ganha" tanto para as aéreas quanto para os bancos. Entenda como.

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 12 Maio 2022, 16h54 - Publicado em 13 Maio 2022, 06h49

Companhias aéreas vendem, periodicamente, bilhões de milhas para bancos emissores de cartão de crédito. Essas instituições, por sua vez, compram milhas para oferecê-las como benefícios para seus clientes. E lucram com isso, já que incentivam as pessoas a usarem mais o cartão (quanto mais você usa, mais as financeiras ganham com taxas).

É um jogo ganha-ganha. Para as aéreas, vender milhas (ou seja, passagens aéreas) aos bancos é dinheiro na veia, mesmo que o façam a preços baixos. Tanto que essa se tornou parte fundamental do modelo de negócios das aéreas. A americana Delta, por exemplo, já anunciou que as receitas com as vendas de milhas para o banco American Express devem chegar a US$ 7 bilhões por ano a partir de 2023.

Se as aéreas tivessem certeza de que encheriam todos os seus voos com clientes normais, elas não venderiam milhas para bancos com desconto. Mas não é isso que acontece: na média, cada voo decola com uns 15% de lugares vazios. Então o esquema vale (muito) a pena para elas.  

O modelo dá certo porque, no fim, consumidores continuam usando cartões de crédito que oferecerem milhas. Mas nem sempre vale a pena, diga-se. Outro benefício comum de cartões é o cashback, em que você recebe uma pequena porcentagem do dinheiro gasto na compra de volta (em geral, 1% a 2%). 

Fazendo as contas, no final do ano, é possível que o dinheiro acumulado via esse mecanismo pague passagens que as milhas ganhas com a mesma quantia não cobririam. Isso sem contar o fato de que milhas expiram, e muitas são perdidas enquanto o usuário do cartão tenta acumular o suficiente para as férias dos sonhos. O cashback, geralmente, é instantâneo. 

Claro que há exceções: quem viaja muito de avião pode se beneficiar mais das milhas do que do cashback. Mas só dá para saber colocando os números na ponta do lápis – algo que consumidores não costumam fazer, e por isso as cias continuam vendendo milhas e os bancos continuam comprando-as aos montes. 

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Tempo é dinheiro. Informação, também. Assine VC S/A e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VC S/A! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VC S/A, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

Receba mensalmente a VC S/A impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VC S/A, para celular e tablet.


a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VC S/A, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Análises completas sobre o mercado financeiro.

Cobertura diária do fechamento do mercado.

App VC S/A para celular e tablet, atualizado mensalmente.


a partir de R$ 12,90/mês