Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

O que acontece com quem cai na malha fina do IR?

O que colocou o Al Capone atrás das grades foi a sonegação de impostos. Mas calma: tem um longo caminho entre cair na malha fina e parar na prisão.

Por Juliana Américo Atualizado em 18 fev 2021, 22h48 - Publicado em 8 fev 2021, 08h00

Mesmo depois de anos no mundo do crime, o que colocou o Al Capone atrás das grades foi a sonegação de impostos. Mas calma: tem um longo caminho entre cair na malha fina e parar na prisão. A malha é um sistema da Receita Federal que verifica contradições na declaração do IR.

O fisco cruza as informações que você preencheu no programinha do IR com as do seu empregador, bancos e plano de saúde. Se todo mundo disse a mesma coisa, beleza.

Mas se você disse que gastou R$ 100 com médico e o plano declarou só R$ 50, dá ruim, e aquele sonhado dinheiro da restituição fica preso na conta da Receita. Ai, ai.

Sair da malha fina é simples: basta entrar no programa da declaração e corrigir o número que está errado – o fisco diz qual é.
O problema acontece quando você está certo e mesmo assim a declaração fica presa, provavelmente por um erro do outro lado. Aí é preciso marcar uma visita à Receita e levar os comprovantes para mostrar que você está limpo. Só que, se nessa história você tiver que pagar imposto, aí vem uma multa que varia de R$ 165,74 a 20% do imposto devido.

Se você cair na malha fina, não corrigir a declaração e nem marcar uma visita à Receita, pode ficar tranquilo, eles te chamam. Só não vai ser legal.

Eles pedem toda a papelada para analisar e o resultado é o seguinte: a Receita pode entender que o erro não foi intencional, aí a multa aplicada é de 75% do imposto devido. Se for identificada omissão ou fraude proposital, prepara o bolso. A multa é de 150% sobre o imposto devido e pode chegar a 225% se você ignorar o chamado do fisco. Se o valor não for pago, você fica com o nome sujo e, em casos de fraude, pode responder por crime tributário e até falsificação de documentos. Aí o destino pode mesmo ser aquele do Al Capone.

Continua após a publicidade
Publicidade