Como está o RH na crise do coronavírus?

Pesquisa exclusiva mostra qual é o papel do RH na pandemia da covid-19. A maioria teve que agir rapidamente e deixar a estratégia para depois

São Paulo – Qual é o papel do RH durante a crise do coronavírus? Foi para responder a essa pergunta que a consultoria de desenvolvimento humano Wisnet desenvolveu o estudo RHs em Rede: Perguntas para Esse Tempo. No estudo, foram entrevistados, entre 23 e 28 de março deste ano, 115 diretores, superintendentes e coordenadores de gestão de pessoas de empresas de médio e grande porte. Os resultados são divulgados com exclusividade pela VOCÊ RH.

Para Felipe Urbano, sócio da Wisnet, o levantamento ajudou a compreender quais são os sentimentos e as expectativas do RH durante a pandemia da covid-19. “Para o RH, a estratégia do negócio mudou menos do que a estratégia da sua própria área. O sentimento comum é de que quase tudo que estava desenhado precisava ser refeito”, diz Felipe. Não é à toa que a pesquisa mostra que, para 64% dos profissionais da área, a capacidade de adaptação precisa ser intensificada nesse período. 

Reação rápida

Outro ponto destacado pelo sócio foi a necessidade de apertar o botão de emergência e tomar decisões rápidas. “Sobreviver foi a reação imediata. Na tempestade, a estratégia é diferente da que usamos em águas tranquilas. Boa parte dos RHs colocou como questão primária enviar as pessoas para casa, depois refletiu sobre desenvolvimento, clima, engajamento e as demais agendas”, diz Felipe

O executivo também elogia a postura da maior parte dos gestores de pessoas: “Eles foram, como quase todos os líderes, surpreendidos pela dimensão do impacto dessa crise e estão tendo que ajudar as pessoas com o que podem, da forma que podem. Muitos RHs ganharam uma dimensão à altura da sua missão”. 

Principais resultados

Veja alguns dos dados levantados pelo estudo da Wisnet 

  • 74% enxergam como prioridade criar ou acionar um comitê de crise
  • 73% estão participando de decisões estratégicas ao lado da liderança
  • 68% querem evitar ao máximo as demissões
  • 68% priorizam criar ações de saúde para os funcionários
  • 62% criam opções para cuidar de pessoas mais vulneráveis
  • 61% acreditam ser prioridade posicionar-se de forma generosa e fazer parte do todo
  • 53% estão preocupados em manter o engajamento à distância
  • 52% priorizam o desenvolvimento de habilidades à distância
  • 34% dos RHs dizem que está na agenda de prioridade que as lideranças apoiem os times
  • 23% acreditam que está totalmente presente na empresa o fato de as lideranças atuarem como modelos a ser seguidos nesta crise
  • 22% dizem que está totalmente presente na empresa o fato de a liderança comunicar de forma clara e objetiva

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: