Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Abertura de mercado: China ataca bitcoin e coloca mais fogo no parquinho financeiro

É mais uma turbulência vinda da Ásia, isso enquanto o mercado abriu o cronômetro para declarar o calote da Evergrande. Por aqui, governo quer Bolsa Família de R$ 600.

Por Tássia Kastner, Bruno Carbinatto Atualizado em 24 set 2021, 08h03 - Publicado em 24 set 2021, 08h01

Bom dia,

30 dias para evitar um calote. Esse é o prazo que a gigante chinesa Evergrande tem depois que o pagamento dos juros de uma dívida em dólar não pingou na conta dos investidores. É, às vezes uma ordem do governo chinês não é o bastante. Para o mercado financeiro, porém, recomeça o temor dos impactos de uma eventual quebra da companhia. Não à toa, a semana deve terminar como começou: no negativo. 

A bolsa de Hong Kong, onde a Evergrande é listada, o índice Hang Seng recuou 1,30%. A própria Evergrande capotou 11,61%. O índice Xangai Shenzhen ficou perto da estabilidade (-0,08%).

O tombo de Hong Kong contagia Europa, enquanto bancos do continente se esforçam em convencer investidores de que a exposição à companhia é baixa, e que eles não correm riscos de quebra caso o calote se confirme. Na dúvida, as bolsas foram para o vermelho e impactam também os índices futuros dos Estados Unidos.

E a China parece realmente disposta a colocar mais fogo no parquinho financeiro. Enquanto investidores digerem a Evergrande, o regime chinês declarou que toda e qualquer transação financeira com criptomoedas é ilegal e deve ser banida. Claro que as criptos foram para o vermelho de novo. Hoje o bitcoin cai perto de 3% e acumula baixa de 11% na semana. O ethereum, segunda maior cripto, cai 7%, com perda semanal de 17,5%.

Não é o primeiro ataque de Pequim ao bit e outras coins. Mas ele mostra que o cerco continuará se fechando, isso enquanto os Estados Unidos estudam regulamentar o mercado em um esforço de reduzir os riscos ao sistema financeiro. Por lá, tem gente dando crédito com garantia em bitcoin.

Por aqui, o que deve pesar mesmo é uma escalada populista capaz de derreter os pilares do teto de gastos públicos. Nesta sexta, a colunista de O Globo, Vera Magalhães, conta que há no governo gente disposta a colocar o novo Bolsa Família em R$ 600, ainda que não haja dinheiro para isso. Ontem, quando ministros fizeram circular a ameaça de prorrogação do auxílio emergencial, os juros futuros dispararam. Parece que Brasília dobrou a aposta.

Boa sexta.

Humorômetro

Futuros S&P 500: -0,37%

Futuros Nasdaq: -0,49%

Futuros Dow: -0,26%

*às 7h50

Europa

Índice europeu (EuroStoxx 50): -0,82%

Bolsa de Londres (FTSE 100): -0,22%

Bolsa de Frankfurt (Dax): -0,69%

Bolsa de Paris (CAC): -0,89%

*às 7h50

Fechamento na Ásia

Continua após a publicidade

Índice chinês CSI 300 (Xangai e Shenzhen): -0,08%

Bolsa de Tóquio (Nikkei): +2,06%

Hong Kong (Hang Seng): -1,30%

Commodities

Brent: +0,19%, a US$ 77,40*

*às 7h46

Agenda

9h IBGE divulga o IPCA-15, uma espécie de prévia da inflação oficial. O mercado espera alta de 1,03%. 

9h30 Banco Central anuncia o saldo da entrada e saída de dólares do país. 

11h Presidente do Fed, Jerome Powell, discursa dois dias após anunciar para novembro a redução de estímulos à economia.

market facts

Decolou

As ações da Embraer lideraram as maiores altas no pregão de ontem, fechando o dia com valorização de 12,16%, cotadas a R$ 23,89. O motivo? A empresa Eve, subsidiária fabricante de aviões, assinou ontem um acordo com a norte-americana Bristow para a produção de 100 novos “carros voadores”, com entregas previstas para 2026. O mercado entendeu que o negócio de carros elétricos com decolagem e aterrissagem vertical (eVTOL), voltados para a mobilidade aérea urbana, realmente veio para ficar.

A vaca e o frango

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, nesta quinta-feira (23), a aquisição de 31,66% das ações BRF (BRFS3) pela Marfrig (MRFG3), quatro meses depois da compra, que aconteceu dia 21 de maio. Com isso, a Marfrig passa a ser a maior acionista da dona da Sadia. Mas promete não fazer mudanças no controle da empresa e nem mudar sua administração — a ideia é apenas “diversificar os investimentos”, já que a BRF é líder no segmento de carnes de frangos e suínos, enquanto a Marfrig é a segunda maior empresa do ramo de carne bovina. E o movimento vai fortalecer o negócio e ajudar na competição com outra gigante do setor (e que processa as três carnes), a JBS.

Vale a pena ler:

O fim de uma era

No domingo, os alemães vão às urnas escolher o sucessor de Angela Merkel, que deixará o posto de chanceler após 16 anos no comando do país. Apesar da altíssima popularidade de Merkel, tudo indica que ela não conseguirá emplacar um sucessor. A CDU, seu partido, aparece nas pesquisas atrás do SPD, o Partido Social-Democrata, de centro-esquerda. O indicado é Olaf Scholz, ministro das Finanças do país. Neste texto, a The Economist relembra o que está em jogo. E, neste vídeo, a DW relembra os principais candidatos ao cargo e suas propostas.

“A chance de um golpe é zero”

Você já leu essa frase mais de uma vez — mas, agora, quem fala é o próprio Bolsonaro em entrevista à revista VEJA. Em uma das raras conversas exclusivas com um veículo da imprensa tradicional, o presidente comentou a CPI da pandemia, se mostrou cético novamente às vacinas e garantiu: é candidato em 2022. Leia aqui.

Continua após a publicidade
Publicidade